The Iesna Lighting Handbook-ninth Edition

June 12, 2018 | Author: Dora Vainsencher Galvão Albuquerque Teixeira | Category: Reflection (Physics), Mirror, Color, Visual System, Light


Comments



Description

THE IESNA LIGHTING HANDBOOKNINTH EDITION Lighting Applications – Residential Lighting **Tradução baseada em fragmentos do CAP. 18 – Residential Lighting do guia de referência da IESNA Ed. 9.** Tradução: Vivien Jalgbauer 1 ILUMINAÇÃO RESIDENCIAL Questões a serem consideradas na iluminação residencial Ambientes em geral: □ □ □ □ □ □ □ □ A aparência do ambiente e das luminárias Aparência de cor (e o contraste da cor) Ofuscamento direto Iluminância (horizontal) Distribuição da luz nas superfícies Luminância das superfícies do ambiente Tipo das superfícies e dos objetos Sistemas de controle e sua flexibilidade Cozinha: □ □ □ □ □ □ Aparência de cor (e contraste da cor) Ofuscamento direto Iluminância horizontal Iluminância vertical Ofuscamento refletido Fonte de luz/ tarefa / geometria do olho Leitura: □ □ □ □ □ Ofuscamento direto Iluminância horizontal Iluminância vertical Ofuscamento refletido Fonte de luz/ tarefa / geometria do olho Essa “apostila” serve como um guia para a iluminação de espaços residenciais. A intenção é ajudar na criação de espaços iluminados para que sejam ricos e variados, que tenham uma iluminação adequada para as tarefas ali desenvolvidas e para que tenha uma boa reprodução de cor. Ela cobre os seguintes tópicos: objetivos de projeto, critérios para quatidade e qualidade da iluminação, métodos de iluminação, equipamento típico e considerações de energia elétrica. Métodos para se iluminar tarefas visuais específicas são detalhadas. Cada descrição de tarefa leva em consideração o plano de trabalho, a gama de iluminância recomendada, considerações de projeto e localização dos equipamentos mais comuns. 2 FATORES QUE AFETAM O PROJETO DE ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Fatores Humanos A luz influencia a resposta emocional das pessoas que habitam o espaço. A aparência e a natureza do espaço dependem em grande parte da distribuição e do tipo de luz e sombra. O projeto de iluminação não se inicia com a seleção das luminárias, mas com a avaliação das necessidades do ocupante, suas capacidades visuais e físicas, sua idade e o seu estilo de vida. (Pessoas mais velhas requerem muito mais luz do que pessoas mais jovens; uma pessoa de 55 anos de idade requer duas vezes mais luz do que uma pessoa de 20 anos para realizar a mesma tarefa). Deve-se considerar o uso de luminárias portáteis, modulares e de fácil controle, pois as necessidades, o estilo de vida e os ocupantes do ambiente podem mudar. Fatores do projeto O projetista deve colher informações para identificar as necessidades do cliente e, a partir daí, desenvolver soluções. Após a avaliação das questões de design, o projetista deve então selecionar as fontes de luz (lâmpadas) e as luminárias, para finalmente determinar a quantidade, localização e os controles de luz apropriados. Diversos critérios importantes devem ser considerados no projeto de iluminação residencial. Eles incluem o deslocamento seguro de um espaço para outro, iluminar pessoas e objetos, ter flexibilidade em espaços multifuncionais como a cozinha e ambientes grandes, senso estético e preocupação com a eficiência energética. Finalmente, o projetista deve considerar como fontes alternativas, equipamentos, localização e controles podem melhorar os resultados finais e diminuir os custos. O projetista deve fornecer uma agenda de manutenção e uma lista de troca de lâmpadas para que o cliente possa manter o sistema de iluminação em ordem e com desempenho de acordo com o que foi projetado. 3 CRITÉRIO DE ILUMINAÇÃO PARA AMBIENTES INTERNOS Qualidade da luz A iluminação pode ser difusa ou direta. A luz difusa minimiza as sombras e fornece um ambiente mais relaxante e visualmente menos chocante. Quando se utiliza somente luz difusa, nenhum objeto é destacado na cena visual. O uso artístico da luz direcional destaca certas áreas e sombreia outras, enfatizando a forma e a textura dos objetos. O brilho pode ser conseguido com pequenas fontes de luz descobertas, como uma lâmpada solta ou a chama de uma vela. O brilho do cristal e dos metais polidos, o tampo da mesa bem lustrado e a superfície lisa dos materiais podem ser reforçados pela iluminação dirigida para criar uma sensação de calor e alegria. Sistemas de cabeamento de baixa voltagem podem ser utilizados para iluminação ambiente e dirigidos. Em muitos espaços residenciais é desejável que se crie mais do que uma atmosfera ou que seja possível variar as atmosferas do ambiente. Controles de luz podem fornecer essa flexibilidade e devem ser parte integrante do projeto. Relações de claridade A claridade é a impressão da aparência de uma fonte de luz ou de uma superfície iluminada, descrita nos termos de sua luminosidade relativa percebida. Essa impressão subjetiva pode ser co-relacionada com instrumentos de medição de iluminação que determinam a luminância da superfície ou da fonte de luz. A luminância é expressa em candelas por metro quadrado (cd/m2). Taxas de luminância têm um papel importante no conforto, na fatiga ocular e na dificuldade das tarefas visuais. Zonas de visão O campo visual de uma pessoa consiste em três zonas: Zona 1: A própria área da tarefa Zona 2: A área imediatamente ao redor da tarefa Zona 3: O entorno geral 4 cores com alta reflexão nas superfícies dos ambientes e móveis são importantes e normalmente essenciais para se atingir a proporção de luminância desejada. costurar ou ler. Cores pálidas. A refletância pode ser expressa em porcentagem ou aproximada como um valor “Munsell”.5 .6. a refletância mínima deve ser de 40% para as paredes e de 25% para o piso.90 8 ou mais Cortina e tecidos (em grandes extensões) 35 .60 6.5 * Em áreas onde a iluminação para tarefas visuais específicas têm precedente sobre a iluminação do ambiente. Figura 2: Refletâncias residências recomendadas para superfícies interiores de 5 .8 Pisos 15 – 35* 4 . Essas relações não devem ser excedidas para que se tenha conforto visual em tarefas visualmente exigentes tais como estudar. Para ajudar o projetista a obter as proporções de luminância recomendadas.8 Paredes 35 – 60* 6. refletâncias de superfície recomendadas com valores Munsell aproximados estão listadas na figura abaixo: Superfície Refletância (%) Valor Munsell aproximado Forro 60 .Figura 1: Zonas de visão e proporção de luminância para as tarefas visuais Para o conforto visual a luminância do entorno imediato (zona 2) deve variar de um quinto à cinco vezes mais em relação à luminância da tarefa. Refletância Refletância é a proporção da quantidade de luz que sai de uma superfície em relação a quantidade de luz incidente nela. A luminância do entorno geral (zona 3) deve variar de um décimo à dez vezes mais em relação à luminância da tarefa.5 . reflexões podem ser um problema. que obscurece os detalhes parcialmente ou totalmente por reduzir o contraste é chamada de reflexão direta. como cortinas de veludo ou carpetes espessos. pigmentos ou a tinta para as superfícies interiores. Quando as tarefas envolvem superfícies especulares brilhantes. A cor da superfície ou dos objetos pode coincidir sob determinada fonte de luz. elas causam um desconforto visual. Acabamento da superfície Cores ou objetos às vezes parecem mudar-se de acordo com o acabamento da superfície. Acabamentos com textura profunda.Reflexões Luz refletida da superfície da tarefa. em casos extremos. Por exemplo. aumentam a cromaticidade e a saturação em um ângulo e obscurecem a cor em outros ângulos. Luz e cor O reconhecimento da cor depende das características do espectro da fonte de luz e da reflexão espectral do objeto que está sendo iluminado. Um acabamento fosco reflete a luz de maneira difusa e se parece mais ou menos igual de qualquer ângulo de visão. Se essas reflexões são excessivamente claras. causam sombras entre as fibras que compõem o material e o fazem parecer mais escuro do que quando se comparado a materiais com uma superfície regular como a seda. o cetim e laminados plásticos da mesma cor. duas cores podem coincidir sob luz incandescente mas não sob a luz do dia. Ofuscamento refletido Quando fontes de luz são reproduzidas em superfícies brilhantes como painés de vidro e superfícies espelhadas que estão próximas da tarefa visual. mas pode não coincidir sob outra. como fotografias e revistas com acabamento extremamente brilhante. Este fato deve ser notado quando se seleciona materiais. Esses dois fatores fornecem a cor do objeto para o observador. As reflexões especulares ou espelhadas de superfícies brilhantes. 6 . esta condição é conhecida como ofuscamento refletido. suas limitações e capacidades físicas. Os equipamentos mais utilizados para se iluminar superfícies de um ambiente e criar um fundo satisfatório para o trabalho visual incluem luminárias difusas instaladas no 7 .Desbotamento A luz descolore os tecidos e acabamentos de objetos. O projetista deve considerar uma luz geral suficiente para toda a gama de atividades. e não de acordo com o tipo de ambiente. a freqüência e o tempo de exposição devem ser considerados quando materiais ou objetos são de grande valor ou são insubstituíveis. o que requer uma iluminância maior do que a necessidade de se orientar em um hall de entrada. Em alguns espaços. com a idade dos ocupantes. especialmente em áreas de serviço. Recomenda-se o uso de filtros UV e IR nas luminárias com o propósito de proteger os tecidos. Como a radiação UV não pode ser totalmente eliminada. A iluminação geral previne um efeito descontínuo. A iluminação geral também previne diferenças execessivas de iluminação entre ambientes adjacentes. mobiliário e obras de arte das fontes de luz. mantém as taxas de luminâncias recomendadas no campo de visão e fornece luz para a segurança e para as atividades domésticas por todo o interior da residência. a iluminação geral pode ser projetada de modo a fornecer toda a luz necessária para as atividades visuais. A radiação ultravioleta (UV) é uma das causas deste descoloramento. costurar é uma atividade com pequenos detalhes visuais e baixo contraste. Por exemplo. Luz geral com alta iluminância e padrão uniforme são inaceitável para a maioria dos espaços de estar. a quantidade. Quantidade de luz Atividades visuais em espaços de vivência variam das mais simples às mais complexas tarefas visuais. MÉTODOS DE ILUMINAÇÃO Iluminação geral □ Áreas com atividades visuais A iluminação residencial é planejada de acordo com as atividades realizadas. com áreas de luz mais clara. luminárias instaladas embaixo do armário para iluminação da tarefa e uma arandela que contribui na decoração. As considerações principais para estes espaços devem ser o conforto e a satisfação estética. Em ambientes pequenos. □ Áreas para relaxamento Um nível baixo de iluminação. uma luminária portátil pode ser necessária para uma tarefa visual exigente. luminárias indiretas. sistemas de iluminação incorporados e luminárias portáteis de piso e mesa (figura 2). cria um ambiente relaxante (figura 3). Em adição ao sistema de iluminação geral. como a luminária do espelho do banheiro ou uma luminária portátil para leitura. O objetivo não é a uniformidade da iluminação. 8 .forro. arandelas. a iluminação geral pode ser fornecida por luminárias utilizadas para uma tarefa visual específica. Figura 2 – O escritório é iluminado com diferentes tipos de luz: embutidos diretos para iluminação geral. luz embutido na decorativas. Figura 4 – À esquerda um efeito tridimensional foi criado para a iluminação do corredor. iluminação contribui para a estética do espaço e para a Esta aconchegante sala de estar.Figura 3 – A ambientação. Em escadas é crítico que os degraus sejam enfatizados e que o primeiro e último degraus sejam bem iluminados por razões de segurança (figura 4). com uma visão para a cidade. o acabamento das paredes e do piso deve ter alto índice de refletância. o nível de iluminância no hall ou na escada não deve ser menor do que um quinto da iluminância de sua área adjacente. Se estiverem ao lado de um ambiente que tem uma iluminância maior. Sob nenhuma circunstância deve-se utilizar luminárias embutidas na parede ou uma luminária portátil em local onde a pessoa que está descendo a escada possa visualizar diretamente a fonte de luz. Para isso. A iluminação do hall de entrada deve ser flexível para que ajustes possam ser feitos. A luminância das paredes é crucial para criar a sensação de claridade e para reduzir sombras na escada. para a adaptação visual durante o dia ou à noite. é composta por embutidos na área das dirigida para a pintura e escultura acima da lareira e um pratelira para iluminar o aparelho de som e as peças □ Áreas de circulação □ Os níveis de iluminação para corredores e escadas devem permitir a adaptação visual. extraordinária poltronas. Três spots PAR30 foram utilizados para lavar a parede do 9 . 10 . principalmente na sua parte dianteira e traseira. já que a combinação de cores é uma tarefa crítica. pode ser necessária iluminação para uma bancada de trabalho. Raramente a iluminância desejada é fornecida somente pela iluminação geral. Devem ser escolhidas fontes de luz com IRC (índice de reprodução de cor) alto. Devem-se selecionar lâmpadas com temperatura de cor alta e com IRC maior do que 80. Além da luz ambiente. As garagens são. em geral.corredor superior e criar profundidade de visão. iluminar somente a tarefa é raramente confortável e totalmente satisfatório. Ao mesmo tempo. A passagem aberta foi iluminada por uma luminária direta/indireta para lâmpada fluorescente. que corresponde a Zona 1 na figura 1. Uma faixa incandescente de baixa voltagem foi usada embaixo do corrimão. espaços multi-uso. □ Closets As fontes de luz nos armários devem ser posicionadas fora do campo visual. As luminárias são geralmente posicionadas um pouco para trás do porta-malas e em linha com os pneus dianteiros. Uma luminária portátil pode ser providenciada para trabalhos de reparo. Em closets fechados devem-se utilizar luminárias embutidas no forro e posicionadas na parte central da circulação de maneira que as prateleiras não bloqueiem a luz das roupas. □ Garagens Em uma garagem é necessária iluminação em ambos os lados do veículo e entre os automóveis. dessa forma. a questão essencial da boa qualidade da iluminação não deve ser deixada de lado. A luz do dia também contribui na melhora da qualidade da iluminação em uma residência. ILUMINAÇÃO PARA TAREFAS VISUAIS COMUNS Ao se fornecer a iluminância recomendada para a tarefa. há necessidade de se combinar a iluminação geral com a iluminação da tarefa. geralmente acima da porta e na parte frontal do armário. com pelo menos 40 cm de comprimento. A posição das luminárias é especialmente importante no caso do espelho. Uma lâmpada de alta reprodução de cor. fornecendo uma saída regular da luz. Lâmpadas incandescentes bem protegidas ou lâmpadas halógenas oferecem a melhor opção decorativa. Estas luminárias são mais efetivas quando instaladas com um dimmer.23. 11 .7 até a figura 18. que mostre as core com precisão.Figura 5 (18. Figura 18. considerações especiais de projeto e localização típica dos equipamentos. lâmpadas fluorescentes com boa reprodução de cor também podem fornecer altos níveis de iluminação sem a presença do calor. Embutidos dirigidos para baixo são uma excelente escolha para o humor e para a iluminação geral. Acima do espelho o comprimento deve ser de pelo menos 60cm para iluminar os dois lados do rosto. As tarefas residenciais mais comuns são mostradas da figura 18. é a melhor para a pessoa que está se “ajeitando”. As luminárias estão compostas com grelhas de madeira no formato de “casca de ovo” (egg-crate louvers).6) – Este banheiro apresenta uma simples sobreposição de 4 lâmpadas fluorescentes T12 na base da viga de madeira.7 – Se “arrumando” Banheiros requerem uma combinação da iluminação com a execução da tarefa e com o humor. o que melhor funciona é uma luz alongada que corre no perímetro do espelho. Nesta discussão está incluida a descrição da tarefa e do plano de trabalho. e a velocidade e precisão podem ser críticas para uma pessoa que está com pressa enquanto se arruma. A luminância das superfícies refletidas no espelho e vistas adjacentes à reflexão da face não devem estar em um contraste que distraia a vista da pessoa. 3.16m do piso. A refletância da pele e do cabelo é baixas. Descrição do plano de trabalho (a) posição em pé: a area da tarefa consiste em dois planos de 15x22cm em ângulo reto. Considerações especiais de projeto: A luminária do espelho deve dirigir a luz diretamente para a pessoa e não para o espelho. 12 . exceto pelo fato de que o centro dos planos é a 1. Eles representam a parte frontal e os dois lados do rosto. A tarefa: barbear-se e maquiar-se. também com seu limite frontal a 41cm do espelho. Como a distância aparente do rosto vista no espelho é de duas vezes a distância real do rosto até o espelho e também pelo fato de que detalhes a serem vistos são normalmente pequenos e de baixo contraste com o seu fundo. □ Paredes adjacentes devem ter refletância de 50% ou mais. menores do que 30%. convergindo no ponto a 41cm do espelho e com centro vertical a 1. O tamanho da parte de cima da cabeça também é o mesmo. Um terceiro plano de 31cm². é inclinado 25° acima da horizontal e representa a parte de cima da cabeça. □ As luminárias devem ser instaladas fora do cone visual de 60o com o centro (coincidindo com o centro da linha de visão).1. a tarefa visual pode ser crítica.55m do piso. (b) posição sentada: Os dois planos da face são idênticos em posição e tamanho em relação ao mencionado acima. 2. (e) Luminárias portáteis com os raios luminosos na lateral. Se ao se arrumar. um medidor de iluminância posicionado contra a luminária não deve mostrar mais de 6. atividade executada sentada. Localização típica das luminárias: (a) Luminárias de parede. a relação das luminárias com a face da pessoa deve permanecer como especificada acima para a posição em pé. (c) Combinação de luminárias de parede com luminárias de teto. (f) Luminárias pendentes com vários lados abertos iluminando o espelho pelo lado. lineares e não lineares. Figura 18. isto é. (b) Luminárias de parede.□ Nenhuma luminária deve exceder 2100 cd/m² em luminância.8 – Espelho de corpo inteiro 13 .500 lux. 4. lineares e não lineares instaladas acima do espelho. (d) Luminárias embutidas na estrutura (como embaixo de uma viga) pela extensão completa do espelho. atingindo o espelho por cima da cabeça do usuário. instaladas acima e ao lado do espelho. um medidor de iluminância posicionado contra a luminária não deve mostrar mais de 6. É centrada e paralela ao espelho. que normalmente têm refletância entre 30 e 70% e avaliação geral casual. Localização típica das luminárias: (a) Luminárias lineares verticais instaladas ao lado do espelho. □ As luminárias devem ser instaladas fora do cone visual de 60o com o centro coincidindo com o centro da linha de visão. 2. (b) Combinação de luminárias verticais e luminárias de teto ou de parede. Descrição do plano de trabalho A área da tarefa é um plano de 51 cm de largura por 1. Tarefa: ajustar as roupas ao corpo.1. acima das luminárias do espelho. a 76 cm da superfície do espelho. A velocidade e a acurácia podem ou não ser importantes. isto é. com a borda inferior a 31 cm do piso. A luminância das superfícies refletidas no espelho e adjacentes a face de reflexão não devem distrair o usuário. Considerações especiais de projeto: A luminária deve dirigir a luz para a pessoa e não em direção ao espelho. 4. □ Nenhuma luminária deve exceder 2100 cd/m² em luminância. 3. 14 .37m de altura.500 lux. A velocidade e a precisão podem não ser importantes para uma operação casual. Além disso.9 – Home Office 1. 2. A luminária. 15 . as tarefas em papel. O leitor da impressora e do fax está normalmente em um plano próximo do horizontal. 3. (b) Luminárias tipo arandela direta/indireta em frente ou a lado da mesa de trabalho para luz ambiente e luz da tarefa. As refletâncias das superfícies dos equipamentos (exceto a tela do computador) variam entre 30 a 70%. o equipamento e a superfície ao redor devem ser limitados. 4. (c) Luminárias com baixa claridade instaladas no forro. Descrição do plano de trabalho: A tela do computador é geralmente um plano vertical ou quase vertical.Figura 18. Localização típica das luminárias: (a) Luminárias de mesa ou de piso para as tarefas com papéis e com o teclado. enquanto o teclado está no plano horizontal. Tarefa: ler a tela do computador. Considerações especiais de projeto: Os índices de luminância entre a tela. o forro e a claridade da janela devem ser controlados para evitar reflexões na tela e nas superfícies especulares dos equipamentos. mas são importantes quando se trabalha em casa frequentemente. o teclado e as informações escritas ou impressas em papel. As tarefas com papel podem estar em um plano qualquer entre o horizontal e o vertical. as teclas e configurações de status no leitor da impressora e do aparelho de fax devem poder ser lidos. que lêem poucos minutos antes de dormir. Não existem posições de leitura ou hábitos usuais. com refletâncias entre 30 e 70%. Os materiais variam de livros e revistas até versões de bolso e letras de jornais. A velocidade e precisão variam do não importante (para leitura por lazer) até a criticamente importante (para tarefas críticas).Figura 18. Essas recomendações assumem que o leitor está em uma posição sentada ou semi-reclinada. Este tipo de arranjo de luz é insatisfatório para uma leitura confortável durante longos períodos. (b) Abajur de mesa de cabeceira ou luminárias embutidas na parte de cima da cabeceira da cama (se houver). suspensas ajustáveis ou pendentes fixos. Tarefa: a maioria das pessoas que lê na cama são normalmente leitores casuais. 3. Vários tipos de iluminação devem ser fornecidos no quarto para acomodar as diferentes funções e tipos de humor – relaxante. Descrição do plano de trabalho: o plano de trabalho tem 31x36cm inclinado a 45o da vertical. As recomendações são para pessoas que lêem por um período mais longo ou para pessoas que praticam tarefas visuais críticas quando estão na cama. 3. de sobrepor direcionáveis e não-direcionáveis. 4. romântico. Eles estão interessados em ter uma luz confinada para que não incomode o seu parceiro. (e) Luminárias instaladas em trilhos. embutidas direcionáveis e não-direcionáveis. (c) Luminárias instaladas no forro: 1. Localização típica das luminárias: (a) Luminárias devem ser instaladas na parede diretamente atrás ou ao lado do leitor (tanto lineares quanto não-lineares). 2. 16 .10 – Leitura na cama 1. Considerações especiais de projeto: os equipamentos devem estar posicionados de maneira que a cabeça ou o corpo não façam sombra no plano de leitura e também que a luminária esteja em local que não interfira para uma posição confortável. (d) Luminárias incorporadas no mobiliário. 2 . adequado para a leitura. O centro do plano de trabalho é a 61cm da cabeceira da cama ou da parede e 31cm acima do colchão. Isto previne o desconforto de fontes de luz claras na periferia do campo visual e ainda permite uma distribuição de luz adequada na área de trabalho. de uma leitura casual de um material com boa visibilidade (letras grandes em papel branco) com pouca duração à uma leitura prolongada de um material pobre (letras pequenas em um papel de baixo contraste). Os olhos do leitor estão a cerca de 1m do piso.07m acima do piso. O canto inferior do protetor da lâmpada não deve estar acima ou abaixo da altura dos olhos. 2 . 17 . para que se atinja a relação proposta em cada caso individualmente.11 – Leitura na cadeira 1. 3. o que é uma consideração crítica quando a fonte de luz está posicionada ao lado da pessoa. Tarefa: A tarefa típica de leitura abrange uma ampla gama de dificuldades. Considerações especiais de projeto: a altura normal dos olhos de uma pessoa sentada é de 0. O plano é inclinado a 45o da vertical. A maioria das tarefas tem refletâncias entre 30 e 70% ou maiores. Descrição do plano de trabalho: o plano de trabalho mede 36x31cm com o centro do plano a aproximadamente 66cm do piso. É necessário a correta seleção e posicionamento de equipamentos quanto a variações nas alturas padrão de mesas e cadeiras. A velocidade e precisão podem não ser importantes para leitura casual e pode ou não ser importante para uma leitura prolongada.Figura 18.97m a 1. A velocidade e precisão podem ser críticas para alguns preparos difíceis. para se ter flexibilidade.12 – Cozinhar . Normalmente está localizado a 91cm acima do piso. (e) Luminárias instaladas em trilhos. Controles como 18 . (d) Luminárias embutidas com foco para baixo. use um número adequado de luminárias para distribuir igualmente a luz sobre os assentos). (b) Luminárias suspensas no forro. localizadas acima do centro da almofada (para sofás. 3. 2. no forro ou em um pedestal). A comida geralmente tem uma refletância menor do que 30%.4. Localização típica das luminárias: (a) Luminárias de mesa. (c) Luminárias dirigidas de foco fechado podem ser utilizadas (na parede. Considerações especiais de projeto: o ofuscamento por reflexão é inerente ao acabamento brilhante dos utensílios domésticos e do fogão.Fogão 1. Descrição do plano de trabalho: a área de trabalho é o fogão e seu entorno. Alguma redução na luminância de imagens refletidas pode ser obtida utilizando-se luminárias ou fontes difusas. ao lado ou atrás do usuário. Figura 18. de piso ou arandelas instaladas ao lado ou atrás do usuário. Tarefa: a tarefa típica no fogão é para se determinar a condição dos alimentos em todos os estágios de cozimento (avaliação da cor e da textura) e a leitura de instruções e receitas. A qualidade de reprodução de cores da fonte de luz é muito importante na cozinha. mas são críticas para preparações complicadas e para a limpeza. 19 . avaliar a cor e textura dos ingredientes. Figura 18. (c) Luminárias lineares em vigas. Controles de luz proporcionam o ajuste em vários níveis de iluminação. luminárias de sobrepor ou suspensas. A velocidade e precisão podem não ser importantes para tarefas nãocríticas. Outras tarefas incluem medir. Tarefa: a tarefa típica na bancada da cozinha inclui a leitura de letras pequenas em livros de receita ou embalagens. mexer. Localização típica das luminárias: (a) Coifa.interruptores com várias posições e controles de luz podem ser utilizados para diminuir a iluminância quando não existem tarefas com dificuldade de visão. 4. (d) Lineares. instaladas debaixo dos armários. 2 . A iluminação geral deve ser flexível para a circulação e entretenimento. As refletâncias da tarefa são normalmente menores do que 70% e freqüentemente menores do que 30%. e a operação segura com equipamentos pequenos e de limpeza. receitas escritas a mão e indicadores de tempo e temperatura em aparelhos pequenos.13 – Bancada da cozinha 1. Embutidos devidamente espaçados fornecem boa iluminação geral. Descrição do plano de trabalho: a área de trabalho é um plano de 51cm de profundidade (iniciando-se da borda frontal da bancada) pela extensão total da bancada de trabalho. fixas na parede com um braço móvel ou fixas em trilhos. (b) Embutidos no forro. O espaço limitado para a instalação da luminária na posição da pia aumenta a possibilidade de sombras feitas pelo corpo ou pela cabeça do usuário no plano do trabalho.5 a 5cm da frente da borda do armário para que se ilumine apropriadamente a bancada. Tarefa: a tarefa típica na pia envolve limpar e inspecionar pratos e utensílios. 4. de sobrepor ou suspensas. sem que haja ofuscamento e para evitar sombras. (d) Iluminação arquitetônica. (c) Luminárias lineares embaixo de vigas ou fixas na parede com braço móvel.3. Considerações especiais de projeto: Existem diversas maneiras de se iluminar a superfície da bancada. 3. Deve-se dar atenção especial para a iluminação da tarefa. contudo as luminárias são geralmente instaladas debaixo dos armários suspensos que estão logo acima da bancada. 2 . podem ser utilizados para diminuir a iluminância quando não há tarefas com dificuldade visual. velocidade e precisão da tarefa são similares às da bancada.14 – Pia da cozinha 1. Controles de intensidade de luz. Figura 18. Descrição do plano de trabalho: a área de trabalho é determinada pelas dimensões da pia. que está normalmente a 91cm acima do piso. Considerações especiais de projeto: A qualidade de reprodução de cor da fonte de luz é particularmente importante para a iluminação da cozinha. As necessidades de refletância. As luminárias devem ser instaladas de 2. Elas normalmente estão bem protegidas na estrutura do móvel. 4. particularmente aqueles que se encontram sentados. Localização típica das luminárias: (a) Instaladas na parte debaixo dos armários. leitura e medição. de sobrepor ou suspensas. Controles de intensidade de iluminação como dimers podem ser utilizados para diminuir a iluminância quando não há tarefas com dificuldade visual. avaliação da cor e textura das comidas em preparo. (b) Embutidos no forro. Deve-se cuidar para que a luminância dessas luminárias também seja confortável para os outros usuários do ambiente. Localização típica das luminárias: (a) Embutidas no forro. (b) Luminárias lineares embaixo de vigas ou fixas na parede com braço 20 . instalada acima do armários e refletida no forro. mas caso contrário. como dimers. é necessário adicionar algum tipo de proteção. Ter certeza de que as superfícies são iluminadas igualmente. luminárias suspensas ajustáveis.móvel. Tarefa: a tarefa básica ao se passar roupas é detectar e remover os amassados e detectar possiveis imperfeições e marcas de queimadura do ferro. o nível dos olhos fica a 1. Descrição do plano de trabalho: a área de trabalho é de 31x66cm e varia na altura dependendo da tábua de passar. Passar roupas e assistir televisão são tarefas feitas freqüentemente ao mesmo tempo. A tábua padrão fica a 61cm do piso. 2 . Na posição em pé. 3. 4. Considerações especiais de projeto: Uma fonte de luz direcional pode beneficiar o usuário ao revelar sombras formadas pelas dobras ou amassados das roupas. Sob estas circunstâncias é importante assegurar que haja um bom equilíbrio de luminância na linha de visão entre a tarefa. embora roupas escuras tenham menos do que 20%. A maioria dos tecidos tem refletância entre 30 e 70%. 21 . a tela da TV e as outras superfícies do ambiente.15a – Passando roupa 1.55m do piso. Localização típica das luminárias: (a) No forro. que em geral tem níveis de ajuste entre 56 e 91cm para uso sentado ou em pé. (c) Instaladas na parte debaixo dos armários. Figura 18.35m do piso. (c) Embutidos fixos direcionáveis. Velocidade e precisão podem ser importantes. (b) Embutidos fixos. com o nível dos olhos da pessoa na posição sentada a 1. a área da tarefa é de 51x61cm em um tanque simples. a área geral da tarefa é de 51x61cm com uma área crítica de 31x31cm. alvejante e amaciante. As refletâncias dos tecidos e embalagens variam muito. Na área da lavadora e secadora as tarefas são encher a máquina com as roupas. mas a maioria está entre os 30 e 70%. colorir. Na área do tanque. Localização típica das luminárias: (a) No forros (suspensas. determinar a localização e tipo de sujeira. Tarefa: na área de preparo. selecionar o programa e tirar as roupas depois de limpas e secas.Figura 18. iluminação adicional sob os armários ou de parede. as tarefas são molhar. tipo de lavagem. enxagüar. com uma área crítica de visão de 31x31cm no meio. (b) Grandes painéis luminosos.15b – Lavanderia 1. 4. neste caso. ser posicionadas para iluminar o teto e as paredes laterais para que se haja uma relação confortável entre luminâncias. de sobrepor ou de embutir) lineares e nãolineares. mas não são importantes na área das máquinas. As luminárias devem. A área das máquinas não tem linhas definidas e a iluminação geral é normalmente suficiente. Como acima. lavar à mão. Na maioria das lavanderias os equipamentos de iluminação da tarefa também fornecem a iluminação geral do ambiente. colocar alvejante e torcer. 2. sabão. A velocidade e precisão podem ser importantes na preparação e na área do tanque. Descrição do plano de trabalho: na área de preparo. a tarefa é separar os tecidos por cor e tipo. Considerações especiais de projeto: iluminação direta e não totalmente difusa pode contribuir para certas tarefas da lavanderia. 3. Na área to tanque. 22 . centradas na borda frontal dos equipamentos. Localização típica das luminárias (desconsiderando a que vem montada na máquina): (a) Na parede. (b) Instalada no forro (a posição da luminária e da máquina de costura deve evitar que a cabeça do usuário bloqueie a luz ou gere sombras na tarefa) 23 . com área de visão menos crítica. 2 . a refletância dos materiais e contraste entre a linha e o tecido. O grau de dificuldade varia de acordo com a agulha e o tamanho do ponto. mede 31x46cm com a agulha centralizada da dimensão mais curta. 4. Tarefa: tarefa visual difícil devido a pequenos detalhes e baixo contraste entre a agulha. Velocidade e precisão são críticas. 3. linha e o material envolvido na costura. O uso de iluminação com um componente direcional aumenta a visibilidade das agulhas e linhas gerando uma pequena sombra que aumenta o contraste. A iluminância máxima na tarefa primária não deve exceder a mínima por mais de 3:1.Figura 18. Considerações especiais de projeto: as luminárias devem ser posicionadas de maneira que a mão do usuário não cause sombras na área da tarefa. diretamente na frente do usuário (linear e não-linear). A tarefa secundária.16 – Máquina de costura 1. Descrição do plano de trabalho: a área primária é um plano de 15cm² com a agulha a 5cm do limite de trás da máquina. O nível mínimo de iluminância no segundo plano de trabalho não deve ser menor do que 1/3 do mínimo na tarefa primária e não menor do que 200 lux. a 15cm do limite da direita. 4.1. plano luminoso. 3.17 – Costurando à mão 24 . (c) Luminária de piso ou instalada no piso. Figura 18. 2. fixa. não-direcional. embutido fixo direcional ou em trilho. suspensa e ajustável. de materiais claros a muito escuros e de alto contraste até a contraste nenhum. O teclado do piano também é um plano secundário. variando de simples. 25 . combinação de luz difusa com um componente direcional.1. Tarefa: a visão abrange uma ampla gama de dificuldades com o uso de agulhas grossas até finas. Favor notar que as dimensões variam muito considerando-se órgãos elétricos e pianos tipo miniatura.22m de largura e a 71cm do piso. plano luminoso. posicionadas ao lado ou atrás do usuário (linear e nãolinear). 2. 2 . A base inferior é de 81 a 89cm do piso. A velocidade e precisão podem não ser importantes para partituras simples. Tarefa: leitura de partituras musicais. (c) Na parede. com normalmente 1. Descrição do plano de trabalho: o plano primário é a prancheta que segura a partitura com área de 31x46cm. de maneira que não haja sombras na área da tarefa. A iluminância máxima na tarefa não deve exceder a mínima por mais de 3:1. à muito difícies com notas pequenas e anotações impressas nas linhas. Figura 18. com notas grandes e linhas guias. inclinada em 17o para frente do leitor. O plano é centralizado a 76cm do piso. Velocidade e precisão podem ser importantes. embutido fixo direcional. 3. Considerações especiais de projeto: a luminária deve ser posicionada do lado oposto a da mão que está sendo usada. 2 . 4. Descrição do plano de trabalho: a área da tarefa é um plano de 25cm inclinado a 45o em direção ao olho. O plano secundário adiciona 23x31cm de cada lado do plano primário. suspensa e ajustável. (b) Instalada no forro: 1. 3.18 – Estudo de música: piano ou órgão 1. com refletância entre 30 e 70% ou mais. mas são importantes para alunos avançados e críticos para músicos profissionais. 4. A posição do olho fica a aproximadamente 1m do piso. Localização típica das luminárias: (a) Instalada diretamente no piso ou em uma luminária de piso. Fontes grandes não-direcionais: a luminância deve estar dentro da zona de conforto e de acordo com a estética do ambiente. devem ser posicionadas acima da cabeça do usuário para evitar as sombras do corpo. Não deve existir nenhuma parte luminosa dentro do campo de visão do usuário que tenha uma luminância maior do que 170cd/m². Deve-se tomar cuidado para evitar o ofuscamento nas outras pessoas do recinto e também de reflexões na área da tarefa. (b) Montadas no instrumento: 1. Fontes dirigíveis: devem ser ajustáveis para atingir o plano de tarefa a 90o. 2. 2. Considerações especiais de projeto: a iluminância máxima na tarefa primária não deve exceder a mínima por mais de 3:1. Uma distribuição uniforme no plano de trabalho pode ser difícil de ser atingida. luzes dirigidas totalmente para baixo (downlight) não são desejáveis. já que produzem ofuscamento por reflexão. 26 . O nível mínimo de iluminância no segundo plano não deve ser menor do que 1/3 do mínimo na tarefa primária.3. deve-se estar localizada e protegida de maneira que evite o ofuscamento em outras pessoas que estejam no mesmo recinto ou passem pela área. Localização típica das luminárias: (a) De sobrepor ou embutir no forro: 1. 4. A melhor localização do instrumento musical em termos de controle de luminância é contra uma parede. (c) Luminárias de piso .devido a qualidade de luz direcionável desse tipo de fonte de luz é possível gerar uma iluminância aceitável na tarefa e também nos arredores. como vidro ou mármore. esta se torna outra área de trabalho e pode ser considerada da mesma forma que uma bancada da cozinha. Descrição do plano de trabalho: o tampo inteiro da mesa deve ser considerado plano de trabalho. Controles: controles como dimers podem contribuir muito para a atmosfera da mesa de jantar ao adaptar os níveis de iluminação para cada ocasião. Localização típica das luminárias: (a) luminárias de centro: 1. embutidas (normalmente um grupo de embutidos é necessário). 2. Em situações onde a mesa de jantar é deslocada de tempos em tempos. 2 .19 – Sala de jantar 1. se toda a luz é dirigida para a mesa. mais luz será necessária para manter as relações de luminância do ambiente dentro de níveis confortáveis. uma toalha de mesa colorida pode colorir a luz por reflexão. de sobrepor. 3 . contudo este tipo de distribuição. especialmente se há luz geral no ambiente e o fundo não é tão escuro. ilumina as superfícies de maneira pobre causando sombras muito duras. do forro ou das paredes. destacando-a. como lâmpadas de baixa voltagem sem proteção são toleráveis. Quanto mais escuras as paredes. Uma luz forte para baixo deve ser mantida afastada dos rostos das pessoas (ou seja. A refletância das superfícies do ambiente influencia na seleção dos níveis. são desejáveis pendentes flexíveis. Considerações especiais de projeto: iluminar com uma luz forte dirigida para baixo acentua a localização da mesa. confinada no centro da mesa) ou ser balanceada com uma luz indireta do tampo da mesa. 4. Se a parte onde se coloca os alimentos e se serve é separada. O tipo de acabamento do tampo da mesa influencia na escolha da distribuição da luz: luz para baixo pode causar reflexões especulares irritantes a partir de superfícies brilhantes. se usada sozinha. 4. Tarefa: a principal consideração é ressaltar a cor e a textura dos alimentos enquanto se cria uma atmosfera festiva e também se fornece os níveis de iluminação necessários. 27 . Fontes expostas.Figura 18. 3. criar uma atmosfera especial e também ter uma luz difusa para as outras atividades da mesa. embutidas (normalmente um grupo de embutidos é necessário). geralmente com a parte debaixo da luminária de 69 a 91cm acima do tampo da mesa. Tarefa: inclui a criação da atmosfera desejada para o jantar como uma provisão para outras tarefas visuais como costurar. suspensas. Localização típica das luminárias: (a) luminárias de centro: 1. 4. 7.3. 3. suspensas. (b) área ao redor da tarefa: 1. de sobrepor. diversos hobies e como mesa de jogos. 2. embutidas. 2 . 28 . 2. luminárias de piso. suspensas. 5. geralmente com a parte debaixo da luminária de 69 a 91cm acima do tampo da mesa. por exemplo. especialmente quando se costura. Considerações especiais de projeto: (a) Uma ampla distribuição da luz é requisito para iluminar o tampo da mesa uniformemente. sancas. parede luminosa. luminárias instaladas em trilhos. 8. 6. Descrição do plano de trabalho: o tampo inteiro da mesa deve ser considerado área de trabalho. (b) É difícil para uma única fonte de luz estática promover dramaticidade.forro luminoso ou uma grande área luminosa. 4. com braços. luminárias de mesa. 4. por exemplo. Para minimizar as reflexões diretas a fonte de luz deve ter um amplo grau de difusão ou não ter componentes diretos.20 – Mesa com múltiplas tarefas 1. como por exemplo um rebaixo profundo. como pequenos pendentes. montadas no forro. 9. 3. contudo uma mesa com múltiplas tarefas requer mais de um sistema de iluminação ou meios de trocar de um efeito para outro. fluorescentes lineares ou incandescentes decorativas. A refletância da tarefa varia de 30 a 70% e a velocidade e precisão podem ser importantes. Figura 18. incandescentes ou wall-washers. ler. 3. cerâmica. montagem de maquetes. como por exemplo um rebaixo profundo. com braços. 1. Deve-se tomar cuidado para evitar o ofuscamento e as sombras. montar partes e aparafusar) e outros tipos de arte. o corte dos blocos e a criação de jóias precisam de uma grande área e de reflexões de baixa de luminância para se poder ver detalhes finos. O plano de trabalho se estende pelo comprimento total da bancada). cornijas 4. 7. repuxo de metais. Descrição do plano de trabalho: é uma área de 51cm de profundidade. lapidação e criação de jóias são consideradas tarefas críticas. esculturas em madeira. cortes de blocos de linóleo. assim como conforto para os olhos. como pequenos pendentes. mosaicos. luminárias instaladas em trilhos. 3. Entre elas. 8. que aparecem como uma interrupção em um superfície polida. fluorescentes lineares ou incandescentes decorativas. incandescentes ou wall-washers. 6. 10. por exemplo. considerando-se as diferenças de luminância. (Bancadas de trabalho em residências variam no comprimento. martelar. luminárias de mesa ou de piso. Considerações especiais de projeto: Equilíbrio luminoso dentro do campo visual: A parede atrás da bancada de trabalho deve ter uma refletância (a) maior do que 40%. A luz refletida é necessária para fornecer iluminamento no plano de trabalho. montadas no forro. operações com o torno. Tarefa: as atividades exercidas em uma bancada de trabalho incluem trabalhos com madeira (como serrar. candelabros. Os hobies variam bastante em relação à dificuldade visual e geralmente requerem iluminação adicional e direcionada. 12. suspensas. parede luminosa. 9. 5. embutidas. 29 . sancas. Gravação em metais. montagens mecânicas e eletrônicas são consideradas tarefas difíceis. 2 .22m de comprimento e fica a 91cm acima do piso. aplainar. 11. A maioria das refletâncias da tarefa deve estar abaixo de 30% e a velocidade e precisão da tarefa podem ser críticas para uma operação com ferramentas elétricas. 2.(b) área ao redor da tarefa: 1.21 – Bancada para hobies 1. Trabalhos com couro. Além disso. grande área luminosa. valance. uma boa iluminação é essencial para a segurança. Todas estas tarefas requerem muita luz. Figura 18. por exemplo. Localização típica das luminárias: (a) Trilho montado no forro ou luminária linear suspensa correndo paralela ao plano de trabalho. já que ele compõe a maior parte do campo visual. o plano da tarefa é uma mesa de 1. Considerações especiais de projeto: embora o equilíbrio visual no campo de visão permaneça no tênis de mesa. com a linha de centro das luminárias posicionada na perpendicular da mesa. a aproximadamente 30cm de cada ponta da mesa. (e) luminárias portáteis com luz dirigida para condições especiais. diretamente na frente do usuário.5 x 2. a luz do dia deve ser controlada por persianas ou brises e uma cortina de cor clara deve ser utilizada a noite. 4. (d) Forro luminoso. 4. centralizadas nas bordas da mesa e se estendendo pela área de movimentação do jogador. para se ter uma distribuição de luz uniforme.22 – Mesa de pingue-pongue 1.(b) Iluminação adicional deve ser fornecida para contribuir com o equilíbrio visual de luminâncias quando o trabalhador olha para dentro do ambiente. As paredes e o forro não devem ter texturas fortes ou que causem distrações. (c) Luminárias de parede ou nas prateleiras com proteção adequada. (b) fontes lineares instaladas no forro no comprimento da mesa. (c) fontes não-lineares instaladas no forro em uma distribuição simétrica 30 . A fonte de luz deve ser posicionada de tal forma que sua imagem refletida em materiais brilhantes não é visível para o usuário em sua posição normal. Figura 18. as superfícies de fundo vistas pelo jogador não devem ser muito claras. Tarefa: as recomendações são para jogos recreativos. 2 . (c) Se o usuário está de frente para a janela enquanto trabalha. 3. (b) Embutidos no forro ou luminárias não-lineares suspensas posicionadas de forma simétrica acima da área de trabalho. Descrição do plano de trabalho: no jogo recreativo. onde a velocidade do jogo é de baixa a moderada e as habilidades do jogador são poucas.7m. mais uma ou mais luminárias na área de movimentação atrás da mesa. ou não haverá contraste suficiente para a visão da bolinha branca. No pingue-pongue os índices de luminância do forro se tornam mais importantes. Localização típica das luminárias: (a) fontes lineares instaladas no forro. a menos que isso seja desejado para alguma aplicação especial. Descrição do plano de trabalho: é uma superfície de até 0. É impossível definir uma maneira “comum” de se pintar. O plano da tarefa é inclinado na vertical para se ajustar ao usuário e à tarefa.9m². Tarefa: os hobbies com cavalete incluem a pintura. (c) Se o artista fica de frente para uma janela enquanto trabalha. (b) iluminação adicional deve ser fornecida para contribuir com o equilíbrio de luminância com o entorno visual quando o pintor olha ao longe. a menos que isto seja desejado. o desenho e colagens. 2 .22m na posição sentada e 1. 3. o detalhe aparecerá como uma 31 . (d) A fonte luminosa deve ser posicionada de tal forma que sua imagem refletida em superfícies brilhantes não seja visível pelo artista na sua posição usual de trabalho. localizadas simetricamente. Por exemplo.23 – Hobbies com cavalete 1. a tarefa típica deve ser descrita como aplicação de pontos de cor de 6mm de diâmetro em um fundo com a cor mais próxima desta em uma escala contendo 1800 cores diferentes (Munsell). Em muitos casos a refletância da tarefa pode ser menor do que 30% e a velocidade e precisão podem ser importantes. para cobrir toda a área da tarefa. o ofuscamento deve ser controlado por meio de persianas e cortinas e com um tecido claro que cubra a janela durante a noite. A altura média do olho é de 1. esses hobbies incluem uma ampla gama de atividades. Se é assumido que o artista deseja ver pequenas pinceladas de cores quase idênticas. e equipada com grelhas que forneçam uma proteção de pelo menos 45o. (d) Luminárias de grandes áreas. Figura 18. Considerações especiais de projeto: Equilíbrio luminoso no campo visual (a) as refletâncias das superfícies das paredes devem ser acima de 35%.sobre toda a área da tarefa.58m em pé. uma grande reflexão de baixa luminância pode ser necessária para ver detalhes finos em uma superfície brilhante da pintura. Ao contrário da maioria das tarefas que podem ser descritas de maneira exata. cujas localizações não são fixas. com baixa luminosidade. Deve-se incluir também a paleta e freqüentemente um objeto a ser copiado. fornecendo uma distribuição uniforme da luz. Todos eles estão posicionados a menos de 25o do ângulo de visão. A recomendação geral é pintar sob a fonte de luz na qual a pintura ficará exposta quando finalizada. (b) Embutidos ou luminárias suspensas não-lineares em linha.50m com 4 projetores montados de ambos os lados da viga. A luz contribui para a sensação de calma.24 – Esta sala de estar apresenta um forro de madeira a 7. amplitude e relaxamento. Localização típica das luminárias: (a) Trilho instalado no teto ou luminárias lineares suspensas correndo em paralelo ao plano de trabalho. (c) Luminárias portáteis que forneçam iluminação suplementar para detalhes finos.interrupção na superfície lisa (sheen). 32 . 4. Figura 18. 25 – Luminárias tipo wall washer tornam o espaço da galeria mais dramático e elegante.26 – Destaque da luz contra a escuridão cria efeitos surpreendentes. 33 . Figura 18.Figura 18. Por exemplo. A iluminação pode realçar percepções espaciais. mas também pode causar desconforto. muitos fatores foram considerados. Outro. Para isto. Uma proporção mínima de 10:1 é necessária para criar efeitos dramáticos e chamar a atenção. Um deles é a luminância entre um espaço de destaque e ambientes adjacentes. as atividades e o humor. Jogar luz contra a escuridão cria um efeito visual surpreendente. mas ao mesmo tempo. destaque e efeitos espaciais Além de iluminar a tarefa e fornecer luz geral. Faísca (sparkle = estrelinha) é um pequeno brilho de luz utilizado para criar interesse visual em objetos jogados no espaço e para atrair a atenção. do relaxamento. a clareza de uma luminária portátil translúcida contra uma parede escura resulta em um efeito dramático. A iluminação pode mudar o humor. Lavar a parede com um ângulo rasante gera um efeito dramático e acentua as texturas da superfície. pode ocorrer ofuscamento. Ela pode fazer um ambiente parecer maior ou menor. da sua atitude e de suas expectativas individuais. Esses efeitos dependem de experiências anteriores da pessoa. podendo criar um efeito dramático. também pode fazer o ambiente parecer plano 34 . favorecer a imagem das pessoas e destacar cores e texturas no ambiente. a intensidade e a proteção da fonte de luz para assegurar o conforto visual. Ao se “lavar” as paredes com luz tem-se uma iluminação lisa e uniforme. Impressões específicas incluem a percepção de claridade. a iluminação é importante para reforçar a percepção espacial. acima). Uma iluminação uniforme faz o espaço parecer maior. proporção de claridade entre as luminárias e seu fundo é muito importante.OUTRAS CONSIDERAÇÕES DO PROJETO DE ILUMINAÇÃO DE INTERIORES Brilho. da sua percepção. com uma fonte de luz muito clara ou adjacente a superfícies espelhadas. mármore e pedras. da privacidade e do conforto do ambiente. do espaço. caso sua luz seja excessivamente clara. Devem ser avaliados o ângulo. Luminárias com ângulos rasantes (grazing) devem estar espaçadas a 30 cm da parede. Caso a área deste “brilho” seja muito grande. Para criar esses efeitos. Quando se utiliza este tipo de iluminação. Esta técnica é bastante efetiva para acabamentos em tijolinho. Luminárias wall washer devem ser espaçadas a 60 cm da parede ou estar centralizadas a 60 cm no caso de luminárias com foco para baixo. que enfatiza o plano vertical e minimiza as texturas (Figura 18-25. a parede deve ser iluminada o mais próxima possível do forro. o contraste de uma área bem iluminada ao lado de uma área escura. O efeito que uma peça de arte luminosa tem no espaço deve ser avaliado de acordo com os mesmos critérios para outros efeitos de iluminação. incluindo o contraste. o teto e os cantos criarem uma sensação íntima. uma luz não-uniforme faz um ambiente parecer menor.e sem graça. Em contraste. Esta arte pode ser criada por projeções em superfícies ou pela transmissão da luz por superfícies como o vidro. Arte criada pela luz A luz como um meio de arte é uma forma de realçar espaços interiores. e deve ser considerada no projeto como parte do ambiente luminoso como um todo. É sempre recomendado testar previamente os efeitos espaciais. caso não haja sombras. Figura 18-27 – Exemplo da luz como um meio de arte 35 . acrílico ou neon. especialmente se as paredes. ofuscamento e o impacto da luz durante o dia e à noite. e são muito utilizadas em luminárias portáteis. embutidos.pendentes. Lâmpadas fluorescentes são apropriadas para a maioria dos espaços residenciais. Para melhores resultados. assim como em baixa voltagem. Elas estão disponíveis em uma variedade de comprimentos e temperaturas de cor. 36 . lustres. Lâmpadas T12 ainda estão disponíveis. Até mesmo as esbeltas T5 e T2 estão sendo utilizadas na iluminação residencial. Fontes halógenas proporcionam uma luz mais branca. são normalmente utilizadas na troca de lâmpadas incandescentes comuns. com vida longa. se utilizadas em uma luminária projetada para lâmpada incandescente. mais eficientes. fluorescentes lineares e compactas. ressaltar pontos focais e criar um espaço mais quente e amigável para se viver e se divertir. uma parede ou uma pintura. uma vez que reduzem o consumo de energia. Elas podem não encaixar nas luminárias existentes e a luz pode não ser distribuida da forma correta. com reator integrado. luminárias montadas em trilho. Retrofit (atualização do sistema) Lâmpadas fluorescentes compactas tipo rosca. Lâmpadas incandescentes e halógenas estão disponíveis em voltagem de rede. A variedade de fontes de luz disponível permite ao projetista criar atmosferas diferentes. Quando se escolhe luminárias para um ambiente. Para o correto encaixe da lâmpada em embutidos é interessante que as dimensões das luminárias sejam checadas. Lâmpadas fluorescentes compactas oferecem boa reprodução de cor e são uma alternativa eficiente energeticamente quando comparadas às lâmpadas incandescentes comuns. Lâmpadas T8 são mais eficientes do ponto de vista energético que lâmpadas T12 e fornecem ótima reprodução de cor. mas tem sido gradualmente trocadas pelas T8. devem ser utilizadas luminárias desenhadas especialmente para lâmpadas fluorescentes compactas. arandelas e candelabros. Aplicações típicas são arandelas e luminárias portáteis. halógenas. e têm uma eficiência maior que lâmpadas incandescentes comuns. Fluorescentes compactas freqüentemente requerem um extensor ou um arco (harp) para lâmpadas no piso.FONTES DE LUZ PARA INTERIORES As fontes de luz mais comuns utilizadas em ambientes residenciais internos são lâmpadas incandescentes. o projetista deve selecionar mais de uma fonte de luz (deixar a luz em camadas) para criar interesse e definir um objeto particular. espelhos d`água e árvores. custo e facilidade de manutenção. refletor e a lâmpada. o projetista deve considerar a aparência da luminária. os dados fotométricos e as tabelas de estimativas de iluminância. A aparência de cor de fluorescentes compactas difere um pouco das lâmpadas incandescentes. o uso de energia. Quando se seleciona luminárias para interiores. Para selecionar os equipamentos sabiamente. A taxa de 20:1 de luminância não deve ser excedida entre a luminária e o forro. 37 . Mesmo com o melhor vidro ou plástico difusor. a luminância da área mais clara (645 mm²) não deve exceder duas vezes a luminância média do elemento. No elemento difusor. a luminância média da luminária que fornece a iluminação geral do ambiente não deve exceder 1700 cd/m². apelo visual e valor à casa. estéticas e econômicas. indireta ou difusa. destacando esculturas. A aparência da residência é enaltecida com a presença de luz nas portas de entrada.A temperatura de operação pode causar que a saída de lúmens seja menor do que o esperado. Kits fluorescentes para retrofit disponibilizados por fabricantes de luminárias incluem o reator. O peso dado à iluminação dos jardins frontais e estruturas da residência deve ser o mesmo em relação aos jardins do fundo e áreas de atividades da família. o projetista deve interpretar a literatura do fabricante.que adiciona charme. Nas aplicações típicas para residências. o que contribui para a segurança. em áreas ajardinadas e nas plantas. LUMINÁRIAS PARA INTERIORES Luminárias para interiores vão desde luminárias portáteis até uma iluminação arquitetônica sob medida. detalhamento. Características importantes para a escolha das luminárias: reprodução de cores. Neste caso luminâncias de até 2700 cd/m² são aceitáveis. ILUMINAÇÃO EXTERNA A iluminação externa nas residencias inclui iluminação funcional e iluminação estética . temperatura de cor. durabilidade. exceto nas áreas de serviço. A escolha depende das condições estruturais. ocorre concentração de luz se as lâmpadas estiverem muito espaçadas ou muito juntas ao difusor. As luminárias são categorizadas pela CIE de acordo com sua distribuição de luz: direta. Algumas lâmpadas incandescentes tipo “energy saver” reduzem o número de watts enquanto produzem quase a mesma emissão de luz que outras lâmpadas incandescentes equivalentes. assim como os degraus e caminhos. acabamento. a eficiência e sua habilidade para distribuir corretamente a luz. o sistema ótica. escadas. possibilitando a vista dos arredores e permitindo atividades à noite. incluindo a recepção das pessoas com iluminação ao longo dos caminhos e da entrada. Uma composição de luz integrando segurança e estética permite a opção por diversos sistemas de luz dentro da composição geral. e outros objetos. Figura 18-28 – A iluminação da piscina deve mostrar obstáculos potenciais como as bordas da piscina. Princípios Idéias da iluminação se desenvolvem de uma avaliação do paisagismo e dos elementos que o compõe durante o dia. O efeito geral pode ser apagado. A iluminação de segurança permite às pessoas se sentirem mais confortáveis. diferenças de níveis em escadas e terraços. sejam eles permanentes ou não (como ítens da casa esquecidos do lado de fora – figura 18. com múltiplas opções de controles. O projetista precisa estabelecer a 38 . Ela fornece segurança às pessoas e à residência e estética ao ambiente. Uma luz não-uniforme proporciona uma composição visual mais interessante. fontes e terraços. como bordas da piscina. Uma das razões principais da iluminação noturna é estética para destacar partes da paisagem e aumentar o tempo para se desfrutar das áreas externas da propriedade. Luz de segurança cuida da boa visibilidade de potenciais obstáculos. A iluminação externa trata de necessidades e usos específicos.28). Cada uma destas questões trata de necessidades específicas e todas podem ser integradas de maneira coesa e agradável na composição da iluminação geral. dependendo do projeto e da aplicação da luz. estimulante ou dramático.Propósito A iluminação dos jardins serve a diversos propósitos. Que tipo de atmosfera deseja-se criar na paisagem. do jantar e para a prática de esportes devem ser consideradas. os níveis de iluminação em ambos os lados da janela devem ser praticamente iguais. plantas e objetos que compõem o paisagismo. Bairros residenciais em áreas próximas do centro da cidade tendem a ter níveis maiores de iluminação nas ruas. os níveis da parte interna devem ser maiores. pois ele direciona como e onde as pessoas verão os objetos da paisagem. em muitos casos. A importância de um objeto na paisagem depende do contraste da claridade entre ele e os outros elementos da composição. É importante se conhecer as refletâncias de todos os elementos que serão iluminados. Quando a vista primária é de fora para dentro. as luminâncias devem ser equilibradas de acordo com a direção da vista.importância visual de todos os elementos para estabelecer um papel noturno para cada um deles. que áreas rurais ou suburbanas. para eliminar as reflexões que as fazem parecer espelhos. Nestas áreas. os níveis 39 . Em muitos locais. A condição dos olhos dos usuários. A iluminação dos jardins é como a extensão da iluminação interna. os materiais de acabamento. Quando as duas direções de visão são igualmente importantes. Os efeitos de luz vem da reflexão da luz nos elementos do paisagem. Fornecer iluminação de preenchimento entre pontos focais é crítico para criar coesão. o projetista deve conhecer a disposição dos caminhos. tem maior importância. Para criar a composição desejada. Elementos que servem como pontos focais primários podem ser até dez vezes mais claros que o entorno. a vista da janela da casa. O contraste é o elemento mais importante na iluminação do paisagismo. Enquanto as necessidades visuais da tarefa para preparação de alimentos. talvez seja necessária uma iluminância maior em elementos do fundo com refletâncias menores que os pontos focais. expandindo o espaço visual aparente da parte interna. e de três a cinco vezes mais claras que pontos focais secundários. Que tipos de uso é destinado ao espaço. Contudo. O nível real de luz requerida depende do nível geral do entorno. requerendo que os níveis de iluminação do jardim sejam os mesmos ou maiores que os níveis internos. Este processo visa uma hierarquia de valores de luminância para criar certa ordem e coesão na cena noturna. a vista noturna pode permanecer. Para se atingir isto. vento e chuva). O desenvolvimento do conceito deve considerar: o o o o As preferências e sentimentos do usuário em relação à luz. áreas abertas podem não ser utilizadas durante grande parte do ano devido a condições restritivas de intempéries (neve. desde que a luminância em ambos os lados das janelas seja balanceanda. a vista primária é a do interior para o exterior. Para que estas proporções sejam atingidas. baixas temperaturas. Na maioria dos casos. com níveis de iluminância iguais ou diferentes.de iluminação exterior podem ser maiores sem que se perturbe o visual dos arredores. a linha. de todos os objetos da paisagem a serem iluminados. Para ressaltar as formas é necessário que a luz venha de um ou mais lados.que ilumine o caminho de cima. A última técnica funciona melhor quando os objetos têm formas fortes e seus detalhes e sua cor não é importante. Cuidado na seleção das luminárias em relação a proteção da visão da luz direta e da claridade da fonte de luz. a forma. Projetores frontais tendem a fazer com que objetos apareçam chapados. recuando-a para dentro da luminária e utilizando-se um difusor. Esta técnica proporciona interesse visual e aumenta o conforto psicológico pelo fato de identificar os limites do caminho. Por exemplo. Iluminar o objeto por trás. A iluminação dos caminhos funciona melhor quando a luz é o mais homogênea possível.como em um beiral. acentua a forma. Luminárias com sistemas ópticos que direcionam a luz diretamente para o caminho proporcionam boa luz na tarefa e não criam claridade ou ofuscamento distrativos na composição geral da iluminação. deve-se proteger a lâmpada. 40 . a refletância e a relação com o entorno. Uma opção para locais de passagem é o uso de luminárias decorativas próprias para circulação. Além disso. tanto em árvores quanto na estrutura na casa . Isto se aplica tanto a luminárias com foco para cima (uplight) como para baixo (downlight). Circulação: Proporcionar uma visão clara dos caminhos constitui um aspecto importante da iluminação dos jardins. as luminárias devem ser colocadas de um dos lados da passagem ao invês de alternadas ao longo dela. Geralmente. em uma parede lateral ou em uma pérgola . Deve-se posicionar e ajustar os equipamentos de iluminação de maneira que evitem o ofuscamento nas áreas ajardinadas ou nas propriedades vizinhas. as luminárias não devem ser ajustadas a mais de 35o da linha horizontal. Luminárias ajustáveis de destaque. A luz atingindo a superfície de um ângulo rasante enfatiza a textura. acentua o paisagismo e ilumina a passagem ao mesmo tempo. Técnicas Deve-se considerar a textura. Prédios e estruturas: A casa e todas as suas estruturas auxiliares compõem a vista diurna da propriedade e devem permanecer como parte da composição noturna. Entradas: É necessário iluminação nas portas para ajudar os convidados na identificação da entrada. Iluminando-se a superfície do hall de entrada.do público para o privado e do exterior para o interior. a forma arquitetônica requer ou merece um destaque. A importância da estrutura deve ser considerada junto com outros elementos desta composição. Lâmpadas MR-16 são usadas como fonte de luz. para a segurança da passagem e para identificar quem está à porta. O hall de entrada (ou foyer) é onde se tem a primeira impressão e onde transições importantes acontecem . O projetista também deve estar ciente da atração de certos insetos por determinadas fontes de luz. todas as mudanças de níveis devem ser iluminadas. montadas nas colunas. Da mesma forma que a iluminação dos caminhos. aponta-se o destino visual para os convidados e ilumina seus rostos para identificarlos. uma iluminação uniforme ao longo de toda a extensão da escada proporciona mais conforto. Uma luz de cima (downlight) é apropriada para a iluminação geral do ambiente e para iluminação das escadas. Embutidos na parede ou abajures colocados ao lado do espelho adicionam um ar decorativo e são apropriados para verificar a aparência das pessoas.Figura 18-29 – Luminárias de baixa voltagem. contudo torna-se importante em áreas de alto tráfego ou quando há ocorrência de tráfego nos dois sentidos ao mesmo tempo. Esta área deve manter um nível de iluminação alto por questões de segurança. assim como por propósitos estéticos. iluminam a pérgola e as rosas por baixo. A iluminação das construções 41 . A luz na escada deve diferenciar os pisos dos espelhos (dos degraus). Em outros casos. pois a pessoa deve se adaptar confortavelmente de um ambiente para o outro. Frequentemente. Iluminar a largura total da escada é normalmente menos importante. Degraus e escadas: Para fornecer uma movimentação segura nos jardins. só a sombra de uma árvore iluminada na parEde é o suficiente. A iluminação desta área é importante. até mesmo daquelas que não serão iluminadas. Quando a árvore serve como ponto focal. Quando a escultura representa um ser vivo. Para fazê-la parecer natural. resplandecem quando iluminadas de dentro da copa da árvore. tronco e estrutura dos galhos. As características físicas das plantas afetam o tipo de iluminação. como junipers. e outras árvores de folhas caducas e troncas aberto. a taxa de crescimento. As características importantes a ser consideradas são: a forma e o tamanho. Birches. o que é normalmente feito com uma luz não-uniforme. As plantas estão vivas e se transformam continuamente com o tempo. maples (arce?). devem ser iluminadas de longe e com as luminárias apontadas em sua direção. características físicas e qualquer outra forma acentuada (figura 18-31). como uma pessoa ou um animal. Esculturas: Quando se ilumina uma escultura. O tronco também deve ser iluminado para amarrar visualmente a árvore com o chão. Quando a árvore só é vista de ângulos limitados. como com luz teatral. densidade. características das folhas. Por exemplo. O chorão nativo foi iluminado com uma luminária para lâmpada MR-16 50W localizada no beiral. a potência e a quantidade da fonte de luz. cor e se é translúcida. A avaliação do projeto paisagístico identifica as plantas que devem ser iluminadas e os potenciais conflitos entre a localização delas e das luminárias.deve ser planejada de forma a ressaltar a sua aparência. A diferença na profundidade se deve a condições sazonais e ao ciclo de vida das folhas. características da florada e dormência. ou com folhas translúcidas. a escultura não deve ser iluminada por cima ou por baixo de um ângulo rasante. é apropriado iluminar somete um lado. seu ângulo e abertura. Essas questões definem quais plantas devem ser iluminadas. as luminárias devem ser colocadas ao redor da copa para mostrar a sua forma completa e proporcionar profundidade. A luz por um só lado destaca o 42 . A iluminação das plantas requer um planejamento cuidadoso e flexibilidade para poder mudar a posição da luminária. onde posicionar as luminárias e o tipo de fonte de luz a ser utilizada (figura 18-30). forma. altura e largura da árvore adulta. árvores densas que estão sempre verdes ou aquelas que têm galhos próximos ao chão. Figura 18-30 . o projetista deve considerar a aparência geral da iluminação nela. pois isso cria sombras artificiais que deformam a aparência. As luminárias devem ser posicionadas suficientemente longe da escultura para evitar sombras exageradas. Os seres vivos devem ser iluminados de um ou mais lados. O projetista deve procurar entender as características de todas as plantas utilizadas nos jardins. incluindo tamanho.Comparação entre a iluminação do paisagismo em um mesmo local no verão e no inverno. o projetista deve considerar o tamanho. Plantas: A iluminação das plantas requer mais atenção que outros elementos do paisagismo. movimento. cachoeiras e lagos difere da iluminação dos jardins pelo fato de que as luminárias devem ser a prova d`água. Esta mudança afeta a localização das luminárias para a iluminação de objetos fora da água como esculturas ou plantas. aproximadamente 10% a cada 5cm. Luz de cima (downlight) localizada em uma árvore ou estrutura próxima pode ser bem efetiva. A iluminação foi composta de duas luminárias a prova d’água com lâmpadas incandescentes de vida longa 116W (observação – não disponível no Brasil). a localização da luminária deve ser em frente a queda d`água e apontada para ela. devem ser entendidas as características da água. Como a luz se move da água para o ar. Superfícies com água nem sempre precisam ser iluminadas por debaixo dela. Muitas vezes eles representam o ponto focal primário e devem ter a luminância mais alta. A luz também perde intensidade a medida que passa pela água. Figura 18-31 – Vista do fundo de um hall residencial. Normalmente a luz de cima não cria um efeito dramático. Desta forma. Neste caso. a luminária deve ser colocada diretamente embaixo de onde a água bate na superfície do corpo d`água no nível mais baixo. espelhos d`água. Iluminar de dois ou mais lados proporciona uma aparência mais natural. Para se fazer uma queda d`água visível. com a fonte. A iluminação na presença de água também requer manutenção maior já que uma lâmpada queimada. Como em outros elementos. a importância de uma fonte ou espelho d`água deve ser avaliada. não exitem bolhas nela. Fontes e espelhos d’água: A iluminação de fontes. para uso submerso. o ângulo quando ela passa o limite entre um e outro muda. de forma que a luz seja refletida de volta. As bolhas absorvem a luz e fazem com que a água brilhe. pode arruinar o efeito todo. a escultura e as plantas (papyrus). especialmente quando as bolhas de ar não estão presentes. Água caindo sobre uma superfície rústica contém bolhas. 43 . Algumas características físicas da luz devem ser compreendidas para se iluminar efetivamente locais com água. Quando a água cai em uma superfície lisa. Outra forma de se iluminar a água é utilizar uma fonte de luz remota. As vezes. Este efeito impressionante. variações de temperatura e outras condições externas são um estímulo a 44 . O tipo de fonte branca a ser selecionada depende das características de cor e da refletância dos objetos a serem iluminados. Luminárias: A seleção de luminárias talvez constitua a decisão mais importante na iluminação do paisagismo. Equipamentos de iluminação Fontes de luz: lâmpadas apropriadas para uso no paisagismo dependem do tamanho do projeto. da escala dos elementos a serem iluminados e dos efeitos desejados. Em propriedades com árvores de grande escala . fontes de luz de vapor de mercúrio ou metálicas são apropriadas. onde a intenção é iluminar um grupo de árvores a distância. é atingido com spots para PAR38 90W. Para jardins residenciais.por exemplo. Chuva. neve. ângulos de abertura e capacidade de dimerização.mas é mais econômica e de fácil instalação. lâmpadas de maior potência podem trazer benefícios e provavelmente diminuirão o número requerido de luminárias para se alcançar o efeito desejado (figura 18-32). com lentes que coletam a luz que é transportada por cabos de fibra óptica.ou em grandes propriedades. Todos os equipamentos devem resistir à ação do tempo. A aparência das luminárias durante o dia deve complementar a paisagem ou desaparecer da visão. O benefício deste sistema é uma manutenção mais simples. iluminadas para enfatizar os detalhes e a textura do tronco e da abertura da copa. quase espiritual. garoa. Figura 18-32 – O jardim frontal desta residência na Califórnia apresenta algumas árvores de madeira vermelha. Uma fonte de luz branca normalmente gera os melhores efeitos e cria uma aparência natural. fontes incandescentes halógenas comuns ou de baixa voltagem oferecem flexibilidade por meio de uma ampla seleção de voltagens. com a copa a 30m do chão. copas maiores do que 9m ou mais altas que 10m de altura . corrosão. Em estruturas existentes. áudio. sem necessidade de ferramentas e os outros componentes. por isso a manutenção das luminárias e o ajuste do foco devem ser simples. A construção das luminárias deve ser avaliada. As lâmpadas devem ser protegidas do tempo. Controles bem projetados e localizados convenientemente economizam energia pelo fato de permitir que o usuário acenda somente as luminárias necessárias para produzir o efeito desejado. 45 . vídeo) em conjunto com a iluminação. as luminárias devem poder ser controladas individualmente ou coletivamente para atingir o efeito de iluminação desejado. idealmente. CONSIDERAÇÕES ENERGÉTICAS Decisões de iluminação devem incluir considerações energéticas. quando isso é possível para a tarefa e para o espaço. O ambiente externo danifica a aparência e a estrutura das luminárias e faz com que parem de funcionar. Os controles podem variar de interruptores na parede e dimers comuns à dimers programáveis que controlam diversas cenas e à automação residencial que controla outros sistemas (ar condicionado. Além disso. As opções são trocar as fontes de luz existentes por novas mais eficientes. modificar os sistemas de iluminação existentes ou trocar luminárias e controles. O controle deve estar convenientemente localizado na entrada de cada ambiente (tanto interno quanto externo) e. O acesso à lâmpada deve ser fácil. a luz do dia pode ser usada em espaços internos para reduzir a dependência de luz elétrica. um planejamento antes da construção permite o uso de técnicas eficientes energeticamente. já que mesmo lâmpadas a prova d água falham em curto espaço de tempo se expostas à água. luminárias e fontes de luz previamente instaladas influenciam em como a eficiência energética pode ser alcançada. Em uma construção nova. CONTROLES Controles devem ser instalados para que o sistema de iluminação seja mais flexível e fácil de operar. Os jardins estão continuamente se modificando devido ao crescimento das plantas. 182-187. Color and illumination. Illumination performance for residential study tasks. N. Color Committee.1-1999. light. Eng. 60(7):463-464. light. C. 1993. Light. Lennox. 1984. Illum. Eng. Des. Caminada. GA: ASHRAE. Kaufman. 1965. IESNA. 46 . Architectural lighting design. IESNA. Residence Lighting Committee. New lighting criteria for residential areas. Design criteria for lighting interior living spaces. 1992. 60(10):591-596. Tallahassee: Durwood Publishers. Pages 99119. J. 11. Refrigerating and Air-Conditioning Engineers and Illuminating Engineering Society of North America. 10. 53. and J. 1995. 9. The landscape lighting book. G. F.. M. Des. J. American Society of Heating. 262-263. 90. 3. Energy-saving tips for home energy lighting. L. Soc. 8. New York: Illuminating Engineering Society of North America. DG-1-1993. 1986. Moyer. 6. 7. Illum. ANSI/IESNA RP-11-1995. Appl. 4. J. 4(4):40-42. New York: Illuminating Engineering Society of North America. Illum. Pages 12-13.. 2. 1974. Atlanta. 94. New York: Von Nostrand Reinhold. 1990. Light. 1965. Eng. ASHRAE 90. 16(5):33-39. Crouch. Light. 1999. E. IES lighting performance requirements for table study lamps. J. IES. Steffy. IES. 106. 42. van Bommel. R. 5. 13(4):350-358. 175-212. Christensen. 129. Energy standard for buildings except low-rise residential buildings. 214. Homelighting: Focus on aesthetics energy and quality. J. Appl.REFERÊNCIAS (IESNA HANDBOOK) 1. Grosslight. New York: John Wiley. 1998. and W.
Copyright © 2021 DOKUMEN.SITE Inc.