DIAGNOSTICO SINDROMICO.pdf

March 30, 2018 | Author: Juliane Camargo | Category: Breast Cancer, Heart Failure, Hepatitis, Mammography, Cancer


Comments



Description

Seção Aprendendo Rev Med (São Paulo). 2005 jul.-dez.;84(3-4):95-101.Diagnóstico sindrômico Syndromic diagnoses Paolo José Biselli(1), José Antonio Atta(2) Biselli PJ, Atta JA. Diagnóstico sindrômico. Rev Med (São Paulo). 2005 jul.-dez.;84(3-4):95- 101. RESUMO: O raciocínio clínico diagnóstico mudou muito ao longo dos anos, partindo de diagnóstico (e tratamento) de sinais e sintomas para, nos dias de hoje, fazermos diagnósticos mais precisos, visando o melhor tratamento. A partir da anamnese e usando técnicas de raciocínio diagnóstico hipotético-dedutivo ou reconhecimento de padrão (as duas mais utilizadas), procura-se, a partir de diagnósticos sindrômicos, chegar a diagnósticos etiológicos. Apesar de todo o acúmulo tecnológico dos últimos anos, a anamnese e o raciocínio diagnóstico continuam sendo os métodos mais eficazes para solucionar (ou pelo menos direcionar da melhor maneira possível) os problemas de nossos pacientes. Uma das maneiras de facilitar esse trabalho parte de diagnósticos sindrômicos para direcionar o raciocínio e a investigação. Partindo de três diagnósticos sindrômicos (insuficiência cardíaca, hepatoesplenomegalia e síndrome consumptiva) damos exemplos de como chegar ao diagnóstico etiológico, usando principalmente o raciocínio hipotético-dedutivo. DESCRITORES: Anamnese. Diagnóstico. Técnicas de diagnóstico e procedimentos. A importância da anamnese A o longo da história da medicina o to, era importante o interrogatório dos pacientes, com raciocínio clínico diagnóstico foi detalhes sobre o passado, presente e hábitos. mudando. No Egito Antigo o diagnósti- No século XVII, com a evolução do conheci- co, em geral, era o sintoma do paciente, como tosse mento anatômico e fisiológico, a caracterização do e erupção cutânea. Embora algumas vezes se agru- diagnóstico modificou-se. Sydenham, também chama- passe os sintomas para diagnosticar uma doença, o do o Hipócrates inglês, fez descrições detalhadas processo mais comum era identificar o sintoma isola- sobre gota, gripe, sarampo, escarlatina e outras enfer- damente. midades. Classificava as doenças pelo agrupamento Na era hipocrática poucas enfermidades, como de sintomas, formando grupos. Esta classificação as conhecemos hoje, foram descritas. Em geral, não tornou-se ainda mais complexa no século seguinte, se caracterizavam síndromes específicas. Entretan- com Linné e outros autores. Estes complicados Médico. Pós-graduando (doutorado) da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo-FMUSP. (1) Prof. Colaborador do Departamento de Clínica Médica da FMUSP. Coordenador das Disciplinas de Propedêutica (2) Clínica I e II. Endereço para correspondência: Rua Enéas de Carvalho Aguiar 155, 4º andar, sala 6. CEP: 05403-000, São Paulo-SP. 95 este realmente ela não tinha qualquer doença. Na tentativa de esclarecer melhor o diag. agrupando-se diferentes sinais e sintomas. O tratamento desta neoplasia. Os médicos e o médico que acompanha a paciente pode resolver podem fazer diagnósticos por reconhecimento de pa- solicitar uma biópsia. tos individuais que os exames falso-positivos possam Entretanto. imaginemos duas De fato. o diagnóstico pode ser feito sintoma. Em alguns casos. o médico posteriormente a um procedimento invasivo. ça. Isto pode trazer algum benefício. discutir e aprimorar as técnicas de neoplasia de mama. sem ter qual- laboratoriais. ções clínicas muito semelhantes puderam ser os benefícios populacionais justificam os desconfor- subclassificadas. alguns autores já demonstraram que. submeteu-se a uma exame radiológico e por exaustão. evolução. Uma a despeito do surgimento de vários exames paciente faz uma mamografia de rotina.84(3-4):95-101. Este exame pode permitir o pal arma para o diagnóstico dos pacientes em um diagnóstico de um nódulo mamário. que pode identificar uma Assim. O uso da anamnese e exame clínico direcionando às vezes com riscos não desprezíveis. No caso específico da mamografia. pou. além do melhor conheci. Mas também devemos saber que Com o desenvolvimento das técnicas de diagnóstico um procedimento que pode trazer benefícios para al- laboratorial e por imagem. encontra alterações patológicas sem sig. de rastreamento. este processo Com o desenvolvimento da medicina baseada é deletério.-dez. O avanço dos métodos diagnósticos traz uma zar mais o resultado de exames laboratoriais do que a série de vantagens para a medicina. a anamnese permanece sendo a princi- quer sinal ou sintoma. guns pacientes pode trazer apenas malefícios em mento fisiopatológico e epidemiológico. a insistir na investigação. tos da medicina aumentarão muito trazendo poucos do se identifica doenças tratáveis no início de sua ou nenhum benefício para os pacientes. riscos e benefícios. so do que o tratamento desta doença se encontrada em uma fase mais avançada. e o resultado Down. Esta técnica 96 . o uso crescente dos exames sub. estes Há diferentes maneiras de se organizar a nódulos terão aspecto duvidoso ao exame radiológico anamnese e formar o raciocínio clínico. rastreamento do câncer de mama. ser a melhor estratégia para se otimizar o processo diagnóstico. Mas. Uma paciente que não tinha qualquer Algumas vezes. agrupamentos mostraram-se pouco práticos. os cus- nificado clínico. sofreu questiona sobre sinais e sintomas relativos aos diver- algumas complicações. outros casos. Para ilustrar esta discussão. Mas se estas anamnese. dermatologia. Embora esta notícia re. tal procedimento levará em conta a relação de seus dades melhorou. Assim. situações em torno da realização de mamografia.. técnicas não forem adequadamente usadas. a mamografia pode identificar um nódulo mamário benigno. Algumas patologias com apresenta. algumas distorções. pois a detecção precoce leva a um tratamen- sidiários para auxiliar o processo diagnóstico gerou to que seguramente aumenta a sobrevida. quan. como no hipercortisolismo ou na síndrome de hematoma.Rev Med (São Paulo). Em algumas situações. em evidências. embora Nosso objetivo com estes exemplos não é a ordenação sistemática desenvolvida por Boissier des fazer oposição ao uso da mamografia ou ao Sauvage tenha mantido certa atualidade. 2005 jul. e a conclusão final é que sos sistemas do paciente. Quando o médico passa a valori. procedimento. um absurdo? Que benefício nossa medicina trouxe O uso de algoritmos também pode ser empre- para esta paciente? gado como método diagnóstico. Este procedimento pode causar drões. Este método é extensamente usado em final será um nódulo benigno. Hoje sabemos que Nos anos seguintes. De uma forma estruturada. levando o médico ambulatório geral. anamnese é fundamental para a formação do médico que pode ter sido identificada em uma fase mais pre- e para o desenvolvimento da capacidade de fazer coce de evolução da doença. causar. Não parece método pode levar ao diagnóstico correto. A identificação da lesão e seus padrões presente um alívio para a paciente e seu médico. dor. nossa capa. Métodos de raciocínio diagnóstico Por outro lado. a decisão sobre indicação de cidade de identificar a etiologia de diversas enfermi. diversas doenças foram as mulheres devem fazer mamografia como método descritas. muitas vezes permitem o diagnóstico sem testes adi- cas vezes pensamos qual foi o real resultado deste cionais. a preocupação com o uso racional nóstico ou tratar esta alteração patológica. desconforto à paciente. tende a ter mais suces- diagnóstico. e o benefício as técnicas laboratoriais que serão usadas parece trazido ao paciente pode ser nenhum. na maioria das vezes. o médico das técnicas laboratoriais e de imagem ganhou for- submete o paciente a uma série de procedimentos. etiológica. periférica. classificá-los apenas como síndrome da insuficiência Qual a importância do raciocínio diagnóstico? cardíaca congestiva. Embora o diagnóstico diferencial desta se de piora do quadro de dispnéia quando estão deita- síndrome ainda seja vasto. um paciente de 40 anos. para ilustrar o raciocínio clínico usando o diagnósti- sindrômico). contato pulmonar. Neste contexto. Neste caso. para o ses diagnósticas. presen. vários diagnósticos novas perguntas. os pacientes com nóstico hipotético-dedutivo. principalmente em locais sob ação da e podem ter sido esquecidos por não se considerar gravidade. to. Com esta isquêmica e infarto agudo do miocárdio prévio pode estratégia.-dez.. Está associada a diag- considerar quais os diagnósticos etiológicos mais pro. ou mais genérico (anatômico. procedente da Bahia. o médico vai reduzindo sua lista de hipóte. que podem ser feitos. como a doença é progressiva. se o médico listas de hipóteses diagnósticas é a partir de diagnós. Estas hipóteses serão testadas com mesmo diagnóstico etiológico. É freqüente manifes- guns dados não questionados podem ser importantes tarem edema. procurar outros dados de des para dormir e adote posições que o deixem mais anamnese e solicitar exames laboratoriais que lhe confortável. Pode-se usar drogas. insuficiência coronariana. O edema inicia-se em membros inferiores. Estabelecer o diagnóstico Entretanto. insuficiência cardíaca. diagnósticos sindrômicos facilita o estabelecimento das hipóteses diagnósticas etiológicas. reconhece a combinação dos sinais e sintomas. No processo diag. dos. 79(2-4):36-44. Se no exame clínico identifica-se que há sintoma vai se intensificando até despertar a atenção hepatomegalia e esplenomegalia. algoritmos para se fazer diagnóstico de embolia presença de outras adenomegalias. com isso. na maioria das vezes. síndrome álgica e síndrome nitivo. descrevemos. nais e sintomas de congestão. Podem apresentar ortopnéia e dispnéia paroxística tante na direção do diagnóstico etiológico. por exemplo. Não é objetivo deste texto fazer uma extensa Assim. é interessante reavaliar a anamnese. Um paciente com miocardiopatia testes laboratoriais. após se fazer algumas insuficiência cardíaca frequentemente apresentam si- hipóteses. antecedente de hemorragia digestiva alta. Atta JA. apresentar uma combinação de síndromes: ses diagnósticas aproximando-se do diagnóstico defi.utiva. freqüentemente encontradas em raciocinar em cima de diagnósticos sindrô. traçar uma linha de investigação internação hospitalar. grandes esforços e vai progressivamente se intensifi- lino. A partir dos Há muitos diagnósticos sindrômicos diferentes dados de anamnese o médico forma algumas hipóte. história de bacteremia. e de grandes síndromes. pode ticos sindrômicos. certas hipóteses no início da entrevista. Pacientes com quadros mais graves podem apresen- ça de sopros cardíacos e sinais de embolização tar ascite. 2000 torna-se cada vez mais comum com o desenvolvi. o método de sindrômico pode. o diagnóstico pode ser bem específico (diag. No entan- nóstico etiológico). então. definição diagnóstica. diarréia. podem demorar mais tempo para reconhecer este sin- senta o diagnóstico de síndrome febril crônica na toma. Um determi. entre outras. É o profissão. mascu. podemos dizer que do paciente ou seus familiares. criar ambulatórios de clínica geral. Pacientes que fazem pouco esforço físico aumento do volume abdominal há cinco meses apre. que tem como uma de suas cau- Quanto mais preciso for o diagnóstico. Al. Nem sempre é possível fazer o diagnós. São Paulo. plano terapêutico e o prognóstico desse paciente. Biselli PJ. permitam apurar este diagnóstico. diagnóstico usado é o hipotético-dedutivo. também dirigir a anamnese. quando indicado. melhor será o sas a miocardiopatia isquêmica. portanto. mucosa. uma das formas de se criar consumptiva. Acompanhando a dispnéia. noturna. e com sindrômicos. uso de álcool poderiam ser importantes na ca. presença de artrites. elevando a cabeceira da cama. No entanto. bém existem algoritmos que partem de sintomas. que se queixa de febre e cando. 97 . o anamnese. nósticos que figuram como grandes causas de óbito e váveis e. se há perda de peso. Insuficiência cardíaca nado paciente pode apresentar mais de um diagnósti- co sindrômico. Usando os conjuntos de diagnósticos A síndrome da insuficiência cardíaca é bastan- sindrômicos de um determinado paciente é possível te prevalente na população. antecedentes sobre a vida sexual e uso de mento de diretrizes e “guidelines”. co sindrômico. mas pode ser progressivo chegando a anasarca. três exemplos tico específico (etiológico) para o nosso paciente. refinando-se a anamnese. o paciente tem uma síndrome de hepatoesplenomegalia Muito frequentemente os pacientes queixam- febril crônica. Isto faz com que o paciente tenha dificulda- Poderá. dor torácica e diarréia. lesões de pele ou caso dos fluxogramas para avaliação de tosse crôni. revisão sobre as várias síndromes usadas. Manifesta-se com dispnéia que se inicia aos Por exemplo. derrame pleural e derrame pericárdico. com tuberculose ou história prévia de tuberculose. No entanto. a seguir. o médico avançou bas. Diagnóstico sindrômico. Um paciente pode ter. Tam. Rev Med. abr. sindrômico. Miocardiopatia isquêmica Miocardite viral Alguns pacientes podem se queixar de palpita- Miocardite alcoólica ções. ECG. alguns pacientes apresentam mento do diagnóstico etiológico. esta classificação tem importância terapêutica. hepáticas podem produzir quadros muito semelhan- bela 1. Na ausculta cardíaca pode-se identifi. Pacientes com hipertensão pulmonar primária queixas de dor torácica associada a esforços. podem apresentar dispnéia aos esforços e edema de cedente de valvopatia. B4 e. como se pode observar na Ta. Beribéri O exame clínico dos pacientes com insuficiên. bém um cateterismo cardíaco. apresentar icterícia.Rev Med (São Paulo). hemograma. Causas de insuficiência cardíaca. paroxística noturna. No entanto. sugerindo infarto prévio. ante. função renal. porém. para a elucidação diagnóstica. renais. pode identificar valvopatias e avaliar a mobilidade ventricular. história de HAS. doenças pulmonares. uso de drogas. Pacientes com doenças tireoidianas. os pacientes com insuficiência cardíaca têm pouco edema em face. epidemiologia (princi. O ecocardiograma ainda auxilia no estabeleci- díaca. vel. sugerindo o quadro congestivo. pode ser necessá- A síndrome da insuficiência cardíaca tem mui. cardíaca. síncopes. gestações pré. embora Valvopatias menos freqüentes nos pacientes com a síndrome Hemocromatose podem ajudar na sua caracterização. No entanto. rio aumentar o espectro de alcance deste diagnóstico tas causas etiológicas. O mal ou baixa. ser solicitados. Algumas patologias pulmonares. mas a freqüência cardíaca pode ser nor. o edema concentra-se em membros Doença de Chagas inferiores e regiões sacral e abdominal. da insuficiência cardíaca. dor ou aumento do volume Uso de drogas cardiotóxicas abdominal e perda de peso. como enfisema ou mesmo bron- vias. Dependendo do resultado de alguns mas também pode contribuir para o estabelecimento dos exames anteriores. derrame pleural. ecocardiograma é capaz de quantificar a função car B3. A história do paciente pode auxiliar na identifi- tes e seriam incluídas como diagnósticos etiológicos cação de algumas destas doenças. identifica-se estase jugular.. forços como a principal manifestação de sua 98 . como reflexo da identificar uma área de parede ventricular pouco mó- secreção de catecolaminas. cardíaca em sistólica e diastólica. A presença de sopro suge. cianose. membros inferiores progressivos. Em muitos casos. Às vezes. HAS é uma das grandes causas de insuficiência car. e aumento da PA diastólica. dependendo da etiologia ou progressão ventricular a partir da fração de ejeção e possibilita a da insuficiência cardíaca. 2005 jul. O Anemia paciente pode estar emagrecido. Hipertioreoidismo cia cardíaca pode mostrar uma série de alterações. história de exposição a álcool. Uma vez que. adotam cada vez menos a HAS posição deitada. Eventualmente consegue-se díaca. enzimas hepáticas e sorologia para Chagas devem cia cardíaca pode auxiliar na identificação da síndrome. Causas de insuficiência cardíaca com a piora da doença. ção de ejeção. hepatomegalia e edema de zação e investigação de um quadro de insuficiência membros inferiores. O exame clínico dos pacientes com insuficiên. que os exames arterial muito elevada podem dirigir a investigação acima e os diagnósticos etiológicos discutidos aqui diagnóstica para determinadas doenças causadoras são referentes às causas cardíacas da síndrome da desta síndrome. insuficiência aórtica ou outra tireoidiano e perfil de ferro também podem contribuir valvopatia. sudorese ou palidez. classificação da insuficiência cardíaca nestas duas A pressão arterial pode estar elevada.-dez. ca muito alta ou muito baixa ou a medida da pressão É importante lembrar. pode-se auscultar sopros. história de anemia são algumas das questões quite crônica podem ter dispnéia com intolerância a es- que devem ser formuladas aos pacientes. Pela presença da ortopnéia e dispnéia Tabela 1. pela disfunção da bomba car. Além de medir a fra- redução da PA sistólica. Estes sintomas. palmente para Doença de Chagas). uma vez que condições. perfil rindo estenose mitral. taquicárdicos. Embora seja difícil Muitos pacientes também se apresentam diferenciar estas condições a partir de dados clínicos. pode ser indicado realizar tam- do diagnóstico etiológico. Pode haver aumento da freqüência respiratória e é possível identificar Em alguns livros. Tempo de possíveis para um paciente apresentando síndrome desenvolvimento dos sintomas. Outros exames são importantes na caracteri- ascite.84(3-4):95-101. RX tórax. insuficiência cardíaca. a identificação de uma freqüência cardía. classifica-se a insuficiência estertores finos ou sibilos na ausculta pulmonar. ção e a presença ou não de febre..-dez. ria apresenta-se também como esplenomegalia febril. A malá- pode evoluir para anasarca. nomegalia e linfoadenomegalia febril. Podemos dividir os diagnósticos etiológicos Leucemias agudas usando grandes grupos de doenças. pacientes com doenças renais forma secundária. estar ausente. Pacientes com Os pacientes com hepatoesplenomegalia agu. nos ca- sos agudos de endocardite. a diferen- Citomegalovírus ciação etiológica pode não ser importante e talvez um HIV agudo hemograma seja suficiente como arma diagnóstica. dependendo B. o tratamento será feito com sinto- Epstein-Barr vírus máticos e observação clínica. Podem ser associados a esta síndrome. São Paulo. há muitos diagnósticos diferencias que podem manifestar-se com hepatoesplenomegalia. Alguns pacientes auxiliar no estabelecimento do diagnóstico definitivo. Alguns pacientes com cirrose também po. Muito frequentemente não toleram decúbito ho. Assim. Pode-se fazer sorologias para os variados agen- Tabela 2. 79(2-4):36-44. mas dificilmente isto auxilia no tratamento do paciente. Atta JA. com quadro de febre. Biselli PJ. Diagnóstico sindrômico. causada pelo Toxoplasma gondii. do no início deste item seja mais sugestivo de doen. tes causadores da síndrome da mononucleose. Esta associação é também tória de exposição possam contribuir para se inferir o conhecida com síndrome da mononucleose infecciosa diagnóstico etiológico. O exame clínico do paciente identificará a Assim como na síndrome da insuficiência car. 99 . Mais raramente. mononucleose podem apresentar exantema após uso da manifestam-se. o estado geral do paciente Hepatoesplenomegalia fica bastante prejudicado. Ainda. Assim. o HIV e a doença de Chagas podem manifes- do estágio de evolução da doença pulmonar. terão queda do estado geral e poucos poderão ter exan- tema. Ainda. segundo o tempo de evolu. Na Hepatoesplenomegalias Agudas maioria dos casos. Os a) Hepatoesplenomegalias agudas pacientes com sífilis secundária podem apresentar exan- tema papular e linfonodos epitrocleares. também pode ter uma apresentação como insuficiência renal crônica ou síndrome nefrótica clínica semelhante. Alguns pacientes com endocardite infecciosa ças cardíacas. com seus Em geral. há febre e a presença de sopro cardíaco favorece ficiência cardíaca. Chagas Agudo Hepatite B b) Hepatoesplenomegalias crônicas Toxoplasmose Malária Sífilis O diagnóstico diferencial da síndrome das Febre tifóide hepatoesplenomegalias com meses de evolução é muito Endocardite bacteriana extenso. de ampicilina. a diferenciação entre estas con- (Tabela 2). geralmente. EBV (Epstein-Barr rizontal apresentando queixas semelhantes à ortopnéia Vírus). Causas agudas de hepatoesplenomegalia. Rev Med. A epidemiologia é fundamental para se Portanto. Embora seja menos co. tações clínicas diferentes. neoplasia. tes. levando a hepatoesple- apresentar edema periférico. de órgãos hematopoiéticos por blastos. as hepatoesplenomegalias agudas têm respectivos diagnósticos etiológicos possivelmente como causa etiológica doenças infecciosas. podem tar-se com uma forma aguda. A sífilis. Nestes casos. CMV (citomegalovírus) e pelo vírus da hepatite e à dispnéia paroxística noturna. eventualmente com hepatite. Assim sendo. várias manifestações clínicas adjuntas podem de distribuição da linfoadenopatia. a síndrome pode ser o hemograma pode auxiliar na identificação da subdividida em subgrupos. podem apresentar uma leucemia aguda com invasão preende um grande número de doenças com manifes. o estabelecimento de diagnóstico. mum queixarem-se de dispnéia. Em geral. que pode auxiliar no diagnóstico etiológico. embora predomine a podem apresentar edema de membros inferiores que linfoadenopatia. dições costuma ser difícil. hepatoesplenomegalia e poderá sugerir algum padrão díaca. Nes- podem também se apresentar como síndrome da insu. os pacientes com esta síndrome A síndrome de hepatoesplenomegalia com. em sua Por sua vez. ainda que o quadro clínico apresenta. 2000 doença. a Tabela 3 mostra cinco grandes grupos de doenças. aumento do volume abdominal e podem ter ainda Embora algumas destas características e a his- linfoadenopatia periférica. suspeitar desta etiologia. esta característica da doença pode dem apresentar queixas de edema periférico e anasarca. abr. este sintoma pode estar Embora a identificação dos surtos de febre possa auxi- presente. liar o diagnóstico. obstipação. Podem quei- de neoplasia. é importante que o médico pro- A síndrome consumptiva é um quadro que gera cure retirar o máximo de informações do paciente de muita ansiedade nos médicos e pacientes. investigadas. Alguns autores. no entanto. o diagnóstico Tabela 4.. como Na maioria das vezes. sintomas pulmonares po- mas adicionais. seja uma possibilidade real. A duos com esta condição apresentam perda de peso presença de outros sinais e sintomas é fundamental. modo a dirigir sua investigação diagnóstica. tentado fazê-lo. o quadro crônico deve ser investigado com maior atenção.Rev Med (São Paulo). bem como os hábitos e exposição a drogas. podemos dividir as rose. A perda de peso pode sugerir a presença grecido.84(3-4):95-101. hepatoesplenomegalias crônicas. marcadores de função e inflamação hepáticas causas de síndrome consumptiva em grandes grupos avaliam as condições do fígado. A presença e padrão de de médicos e pacientes é a presença de uma artrites podem oferecer também algumas pistas para o neoplasia como causa desta síndrome. mas muitas infecções crônicas também xar-se de dispnéia. podem levar a esta condição e que devem ser Em muitos casos. Neoplásicas Infecciosas Autoimunes Depósito Tóxicas Leucemia Mielóide Crônica Tuberculose LES Doença. Embora esta diagnóstico definitivo. A história epidemiológica é im. será importante realizar exa. Cólon Demência Endocardite Diferentemente da hepatoesplenomegalia agu- Estômago Brucelose da. definitivo será feito com a retirada de algum material para análise histológica e cultura. de baço ou linfonodos ajudarão na Mama Hipertireoidismo Ansiedade HIV identificação do diagnóstico etiológico. dem sugerir ao médico o caminho investigativo mais 100 .-dez. No entanto. em muitos casos. Causas de emagrecimento. se manifestam com quadro consumptivo. quadros anteriores. dros autoimunes (LES) e neoplasias (linfomas e Os pacientes freqüentemente têm aspecto ema- leucemias). Tabela 3. mes de imagem do abdômen para avaliar tamanho e Do mesmo modo que para as textura de fígado e baço. definem A presença de febre pode sugerir quadro infeccioso. às vezes. há outras causas que portante. conforme apresentado na Tabela 4. de Gaucher Drogas Leucemia Mielóide Aguda Histoplasmose Artrite Reumatóide Hemocromatose Cirrose alcoólica Linfoma Hodgkin Brucelose Linfoma não Hodgkin Abscesso hepático/esplênico Macroglobulinemia de Waldeström Leishmaniose visceral Histiocitose X Hepatites virais Sarcomas Endocardite Esquistossomose Os pacientes com esta condição podem apre. esta condição com perda acima de 5% do peso em 6 mas também é frequentemente encontrada em qua. Causas de hepatoesplenomegalia de longa duração. da mesma maneira que para os Sintomas dispépticos. mais de 10% do peso em 6 meses sem que se tenha portantes para se estabelecer o diagnóstico definitivo. a grande preocupação leishmaniose e tuberculose. doenças autoimunes podem também ser solicitados. febre. Muitas das doenças causadoras desta Pâncreas Leishmaniose síndrome podem e precisam ser tratadas para que os Próstata visceral pacientes recuperem suas atividades habituais. Biópsias de medula Neoplasias Endrócrinas Psiquiátricas Infecciosas óssea com mielograma e mielocultura e. podem referir uma série de sinto. queixas de dor abdominal. com perda de tecido gorduroso. Pode-se definir esta síndrome com a perda de sentar inúmeros outros dados clínicos que serão im. não intencional e. Pulmões DM Depressão Tuberculose biópsias de fígado. Os indiví. cansaço e falta de disposição. Marcadores de de doenças. meses. Quando se suspeita de cir. 2005 jul. Colo uterino Síndrome consumptiva Apesar da grande preocupação com a presen- ça de uma neoplasia. diarréia. prevalentes para aquela faixa etária e sexo. como é o caso de No entanto. a presença de cluídas etiologias não neoplásicas pertinentes para o outras síndromes pode facilitar a identificação do quadro clínico. and wasting syndrome) we show how to get to the etiologic diagnosis. Philadelpia: WB Saunders Company. 79(2-4):36-44. detectá-lo nesta fase pode ser prevalentes. acompanhada de uma análise laboratorial adequa- riscos e uma avaliação do estado emocional do pa. Benseñor IM. 2. Rev Med (São Paulo). Atta. queixa. como uma dedutivo. starting with diagnosing (and treating) signs and symptoms to. São Paulo: Sarvier. São Paulo: Sarvier. Mesmo que o diagnóstico seja um tumor sejam considerados de exclusão. Martins MA. procura-se os tumores que são diagnóstico etiológico. using mostly hypothetic-deductive techniques. liver and spleen enlargement. O médico deve procurar as causas não deve-se considerar avaliar mama. Biselli PJ. the etiologic diagnosis. Diagnostic techniques and procedures. Pode-se observar que algumas das doen. 21st ed. outras queixas devem estimu. tratamento. sempre dirigindo-se pela queixa. se após uma boa avaliação clíni- diabetes mellitus (DM). KEY WORDS: Medical history taking. hemograma e um paciente que procura o médico com determinada exames de função hepática e renal. procurar as causas que são mais mais importante para o paciente do que outras deci- compatíveis com o quadro clínico e com a epide. Medicina em ambulatório – diagnóstico e de la medicina. making more precise diagnosis. 2000 adequado. sões investigatórias ou terapêuticas. Benseñor IM. Há muitas formas de se fazer o diagnóstico de perfil tireoidiano.-dez. JA. Diagnóstico sindrômico. próstata. Atta JA. 2002. Atta JA. sindrômicos pode contribuir para a sistematização das gestiva alta (EDA). seeking the best treatment.. Embora os quadros consumptiva. muitas vezes mesmo na ausência de causa não neoplásica é mais grave e pode imprimir sintomas compatíveis. at least. pode ser mais razoável acompanhar o psiquiátricos associados à síndrome consumptiva paciente. ABSTRACT: Clinical diagnosis changed a lot in history. radiografia de tórax. Insofar all the technological improvement of the previous decades. 1997. dos diagnósticos etiológicos definitivos. no entanto. Deve. 2005.. da. decisão é sem dúvida difícil. through syndromic diagnosis. A história de exposição a ca. Nesta linha. Tradução Nelson Gomes de Oliveira. we seek. REFERÊNCIAS 1.84(3-4):95-101. Assim. a trato digestivo. Se houver algu. a presença de um sintoma que dirija a CONCLUSÃO investigação para determinado sistema auxilia muito. 101 . glicemia. direct in the best way) our patients problems. Às vezes. queixas do paciente e favorecer o estabelecimento Seguindo esta lógica. Goldman L. Cecil Textbook of Medicine. maior risco que uma neoplasia. Assim. 2000. 2005 jul. lar a realização de outros exames laboratoriais.Historia 3. O método mais ensinado hoje é o hipotético- ma outra suspeita a partir da história. Lyons AS. abr. Starting with clinical history and using hypothetic-deductive way of thinking or pattern recognition (the two most used techniques). history taking and diagnostic thinking are still the most efficient methods to solve (or. in modern times. Rev Med. História da medicina . Petrucelli RJ. não se encontrar a causa da síndrome ciente são muito importantes. Biselli PJ. Esta se iniciar o tratamento de um quadro depressivo. São Paulo: Manole. 4. estabelecer diagnósticos queixa dispéptica. Não se espera a exclusão de todas as muito dispendioso e invasivo e provavelmente trará possíveis doenças associadas à perda de peso para mais malefícios ao doente do que benefícios. solicita-se também endoscopia di. São Paulo. Bennett JC. One of the methods to simplify this job is to use syndromic diagnosis to direct thinking and investigation. Em geral. eles são muito ainda não manifesto. Diagnosis. os pacientes realizam anti-HIV. Syndromic diagnoses.-dez. pulmão e neoplásicas de síndrome consumptiva. ças listadas fazem parte de outras síndromes Uma vez realizada a investigação inicial e ex- (inclusive acima descritas). From three syndromic diagnoses (heart failure. Semiologia clínica. miologia local. Assim. mas pode ser tão ou se.
Copyright © 2020 DOKUMEN.SITE Inc.